Telecomunicações Catarina Martins: SIRESP "começou mal de início"

Catarina Martins: SIRESP "começou mal de início"

A coordenadora do BE pediu um programa de emergência por parte da Protecção Civil até ao fim do mês. E aproveitou para criticar o SIRESP.
Catarina Martins: SIRESP "começou mal de início"
Correio da Manhã
Lusa 24 de junho de 2017 às 19:44

A coordenadora do BE quer que a Protecção Civil apresente, até ao fim do mês, um "programa de emergência" que tire "consequências do que correu mal na tragédia de Pedrógão Grande", corrija erros e responda à sua missão no verão.

E, sublinhando que hoje é público que o sistema de comunicações SIRESP teve "falhas graves durante quatro dias", o BE "mantém a exigência de que todas as perguntas tenham respostas, que sejam apuradas todas as responsabilidades" e que seja responsabilizado quem o deva ser.

Para Catarina Martins, a Rede Nacional de Emergência e Segurança (SIRESP) começou mal de início, ao ser constituída como uma parceria público-privada (PPP) durante o Governo de Santana Lopes, com uma antiga empresa do grupo BPN, e mantida durante o Governo de José Sócrates.

"O modelo do SIRESP levantou-nos sempre as maiores dúvidas, pelo modelo financeiro de PPP e pelo tipo de negócio que foi feito, que custou cinco vezes mais do que devia, mas também porque a nível operacional nos parecia que concentrava comunicações a mais, portanto seria um risco", declarou.

A coordenadora do BE lembrou que está pronto desde 2014 um relatório sobre Protecção Civil e prevenção, aprovado por todos os partidos no parlamento, "e não foram retiradas as necessárias consequências".

"Precisamos de um sistema de comunicações eficiente, capaz de resistir e, quando alguma coisa corre mal, ter um outro sistema e que seja de responsabilidade integralmente pública, porque este é um serviço por excelência que o Estado tem que ter", acrescentou.



Catarina Martins, que este sábado apresentou os candidatos do Bloco de Esquerda (BE) aos órgãos autárquicos do Entroncamento (distrito de Santarém) nas eleições de 1 de Outubro, sublinhou que "este é o momento para agir rapidamente, com segurança, com sensatez, apurando o que aconteceu, mas tirando consequências".

A líder bloquista afirmou que "o Verão só está a começar", pelo que a Autoridade Nacional de Protecção Civil "tem que ser capaz", até ao fim deste mês, de apresentar um "programa de emergência", que "tire consequências" e diga ao país "quais são os mecanismos que tem postos em prática para assegurar o seu trabalho, para poder responder ao que for necessário durante o Verão".

Para Catarina Martins, os profissionais são "os primeiros a sofrer imenso com o que aconteceu" e a querer corrigir, pelo que está "certa de que ajudarão a saber o que aconteceu, a apurar responsabilidades e a ter um plano em marcha para fazer com que o que aconteceu não se possa repetir".

Catarina Martins lembrou que, logo após se perceber a dimensão da tragédia do incêndio que deflagrou no passado sábado em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, considerou "impossível achar que tudo tinha corrido bem", pois "tudo indicava que quem estava no terreno não tinha noção da dimensão do que estava a acontecer", até pela forma como as pessoas foram encaminhadas para determinados percursos.

Dois grandes incêndios deflagraram no dia 17 de junho na região Centro, provocando 64 mortos e mais de 200 feridos, tendo obrigado à mobilização de mais de dois milhares de operacionais.

Estes incêndios, que deflagraram nos concelhos de Pedrógão Grande e Góis, consumiram cerca de 53 mil hectares de floresta e obrigaram à evacuação de dezenas de aldeias.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tereza economista 25.06.2017

Catarina não sejas conivente com os crimes das ppp, tira a mascara ao Costa. È tempo de mudar ou tirar o tapete, vamos a eleições agora que o povo esta mais atento e viu qua nada funciona.

Conselheiro de Trump 25.06.2017

MADE na Grecia.

Anónimo 25.06.2017

E lá voltamos nós à conversa da fatalidade!!! Já estão de tal forma habituados a fazer politica rasteira e reles que até nos casos mais inapropriados este tique dá sinal de vida.
Não só me espanta, como revolta estes discursos de "poeira" de vários responsáveis politico deste país. Já todos tentaram de alguma forma passar uma mensagem e um tema de discussão que não o ESSENCIAL nesta fase. "COMO É QUE FOI POSSÍVEL TEREM MORRIDO 64 PESSOAS NUM INCENDIO FLORESTAL?" Todos os anos este flagelo ocorre, todos os anos há muitas intenções, culpabilizações, etc. Mas este ano tem algo de substancialmente diferente!!
Não me venham com calor excessivo, trovoadas, eucaliptos, matas por limpar, etc. Estas circunstância são constantes todos os anos. Contudo este ano em particular foi catastrófico em vidas. Porquê? Após muita poeira chegámos lá. O SIRESP foi contratualizado em Dezembro de 2015 pela geringonça mesmo sabendo-se dos inúmeros problemas!!

Conselheiro de Trump 25.06.2017

P.Portas batizou este governo de GERIGONCA,para quem nao percebeu:dizia d.branca vamos buscar os sirios refugiados e pomo-los a limpar matas.Dizia a jarra:nao,nao,nao vamos criar empregos duvidosos(precarios) para desempregar os portugueses,conclusao da historia:64 mortos com probabilidade de aument

ver mais comentários
pub