Banca & Finanças CDS quer dar novo rumo à forma como decorrem os trabalhos da comissão de inquérito à Caixa

CDS quer dar novo rumo à forma como decorrem os trabalhos da comissão de inquérito à Caixa

O CDS-PP vai ponderar sobre como devem decorrer os trabalhos da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, na sequência da demissão do presidente deste órgão parlamentar, José Matos Correia, disse esta quinta-feira o deputado João Almeida.
CDS quer dar novo rumo à forma como decorrem os trabalhos da comissão de inquérito à Caixa
Bruno Simão/Negócios
Lusa 16 de fevereiro de 2017 às 21:10

"É evidente que o que se passou nos últimos dias não prestigia o parlamento. Nenhum grupo parlamentar pode estar satisfeito", afirmou o deputado centrista no final de uma reunião de mesa e coordenadores da comissão de inquérito, que decorreu à porta fechada.

 

João Almeida disse aos jornalistas que, "com a demissão do presidente [o social-democrata Matos Correia]", o CDS vai "ponderar a continuidade dos trabalhos da comissão" e tem "até à próxima terça-feira para decidir como devem correr estes trabalhos".

 

Questionado sobre se a possibilidade de o CDS-PP deixar a atual comissão à Caixa geral de Depósitos (CGD), João Almeida afastou essa hipótese. "O CDS não abandona os lugares a que tem direito. Não abandonamos comissões, cumprimos o mandato dado pelos portugueses", garantiu.

A reunião de hoje foi inconclusiva, pelo que foi reagendado novo encontro para terça-feira, informou o presidente em exercício da comissão, Paulo Trigo Pereira (PS).

 

O deputado socialista, que assumiu a liderança desta comissão após o anterior presidente, José Matos Correia (PSD), ter renunciado hoje ao cargo, fez uma breve declaração aos jornalistas no final da reunião que demorou cerca de uma hora.

 

Segundo Trigo Pereira, o objetivo da reunião de hoje foi saber se havia informação sobre o novo presidente da comissão por parte dos partidos (PSD e CDS-PP) que, por terem imposto esta comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) de forma potestativa, têm o dever de nomear o seu presidente.

 

Como não houve uma nomeação, Trigo Pereira reagendou para a próxima terça-feira, às 15:00, nova discussão sobre este assunto.

 

"São os partidos proponentes que têm a responsabilidade de nomear o presidente da comissão. Pela minha parte, considero que as funções que assumi serão limitadas no tempo e não vão estender-se até ao final do prazo da comissão, a 26 de Março", sublinhou.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PRIVATIZAÇÃO DA CGD É O QUE ELES PRETENDEM Há 2 dias

Este "copinho de leite", que foi desmamado há pouco tempo e que nunca produziu nada na vida, faz coro com o pulha do PASSOS, porque, ideologicamente, PSD e CDS são unha e carne.
O QUE, ENCAPOTADA E HIPOCRITAMENTE, AMBOS PRETENDEM RESUME-SE EM 3 PALAVRAS : PRIVATIZAÇÃO DA CGD.

Anónimo Há 4 dias

LAMENTÁVEL. ISTO JÁ NEM MERECE COMENTÁRIOS. NO FUNDO Q SOFRE SOMOS NÓS OS CONTRIBUINTES Q ESTÃO A PAGAR TODA ESTA FANTOCHADA DO PSD/CDS.
SE AS COISAS N ESTIVESSEM A CORRER BEM ESTARIAM CALADINHOS ATÉ AO DIA Q TUDO SE DESMORONASSE.
N AJUDAM O PAÍS MAS SIM OS INTERESSES DELES Q ESTÃO ACIMA DO MESMO

Bela Há 5 dias

Gente mediocre cada vez sd afastam mais do rleitorado se o Costa fosse sozinho as eleicies ganhava com larga vantagem

Não ha pachorra Há 5 dias

Parecem um disco riscado

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub