Obrigações Celbi avança com troca de dívida

Celbi avança com troca de dívida

O objectivo da subsidiária da Altri é prolongar o vencimento da dívida, trocando dívida que vence em 2019 por dívida que chega à maturidade em 2024.
Celbi avança com troca de dívida
Miguel Baltazar
Sara Antunes 31 de Outubro de 2016 às 07:55

A Celulose Beira Industrial (Celbi), subsidiária da Altri, lançou uma oferta particular de troca de obrigações. Esta operação incide sobre "800 obrigações com o valor nominal unitário de 100.000,00 euros", pode ler-se no comunicado emitido esta segunda-feira, 31 de Outubro, para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A operação, que será gerida pelo Haitong, começa esta segunda-feira às 8:30 e termina às 15:00 do dia 11 de Novembro, adianta a mesma fonte.

 

"Os resultados da Oferta Particular de Troca serão apurados pelo Haitong Bank e divulgados pela Celbi até ao segundo dia útil após o termo do período da oferta particular de troca, ou seja, até ao dia 15 de Novembro de 2016", acrescenta.

 

"Com a oferta particular de troca a oferente visa dar prosseguimento à estratégia de alongamento do vencimento da sua dívida de modo a alinhá-la melhor com a geração de cashflow. Assim, o oferente pretende substituir parte da sua dívida com vencimento em 2019 por dívida com vencimento em 2024", adianta a Celbi, subsidiária da Altri, co-liderada por Paulo Fernandes, presidente executivo da Cofina, que detém títulos como o Negócios.

 

Quem aceitar esta operação, recebe por cada obrigação actualmente detida 10 obrigações com maturidade em 2024 "com o valor nominal unitário de 10.000,00 euros" e "um prémio em numerário no valor de 3.500,00 euros".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub