Banca & Finanças Centeno: Reforma da supervisão será feita "sem precipitações"

Centeno: Reforma da supervisão será feita "sem precipitações"

O ministro das Finanças realça que a reforma da supervisão financeira está a ser amadurecida. E não haverá precipitações. O Governo chegou a admitir que o processo estaria concluído e com medidas no terreno em 2017.
Centeno: Reforma da supervisão será feita "sem precipitações"
Miguel Baltazar/Negócios
Alexandra Machado 07 de fevereiro de 2018 às 14:42
O Governo lançou no ano passado uma consulta público sobre a proposta para um novo modelo de supervisão financeira. Ainda não houve a versão final. Mário Centeno, ministro das Finanças, no encerramento do Banking Summit, conferência organizada pela APB e SIBS, disse que o Governo está a concluir esse novo modelo de supervisão financeira.

Nas suas palavras, "é a reforma mais profundamente estudada e amadurecida", e "sem precipitações", esclareceu a plateia, onde na primeira fila estavam os presidentes dos cinco principais bancos em Portugal.

Não falou sobre o desenho, mas voltou a defender a existência do Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira, para uma melhor coordenação.

Foi também nesse fórum que Mário Centeno fez um elogio à política do Governo, que a seu ver conduziu ao actual momento económico. E lembrou o caminho percorrido pela banca. "O sistema financeiro está a estabilizar", ainda que se mantenha como desafio o crédito malparado, apesar da queda de dois mil milhões por trimestre nos últimos tempos. Mário Centeno salientou, no entanto, haver "trabalho a fazer para convergir para os níveis médios", acreditando que a plataforma de gestão do malparado feita pela banca terá um "papel essencial". 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Maria 07.02.2018

Basta um regulador para todo o sistema financeiro, num mercado pequeno, onde tudo está ligado, e poupa-se €€ e lutas de reguladores

General Ciresp 07.02.2018

Nunca o tribunal do barracao parlamentar abriu tantas vezes as portas como na era gerigoncal.Tambem nessa era disparou em flecha os crimes das elites lex.Era de esperar q um combatesse o outro,pelo contrario piorou e muito.Alguem neste pais consegue ver trabalho palpavel deste deficiti?Tudo as escon

Saber mais e Alertas
pub