Banca & Finanças Centeno sobre o NB: "Preferia estar a vender outro objecto"

Centeno sobre o NB: "Preferia estar a vender outro objecto"

"A primeira proposta da Lone Star era inaceitável", considerou Mário Centeno. O ministro disse que Governo negociou alterações que "reduziram enormemente o risco para o Fundo de Resolução". Mas admite que "preferia estar a vender outro objecto".
Centeno sobre o NB: "Preferia estar a vender outro objecto"
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 12 de abril de 2017 às 13:51

"Preferia estar a vender outro objecto", afirmou o ministro das Finanças, para mostrar que não era possível fazer um melhor acordo de venda do Novo Banco do que aquele que foi acordado com a Lone Star a 31 de Março último.

 

Mário Centeno defendeu mesmo que o contrato assinado corresponde a uma melhoria face à primeira oferta apresentada pelo investidor norte-americano. "A primeira proposta era inaceitável", sublinhou.

 

Foi por esta razão que, desde Dezembro, "o que o Governo fez, em colaboração com o Fundo de Resolução, foi negociar um conjunto de alterações" com a Lone Star, o que "reduziu enormemente o risco [da venda] para o Fundo de Resolução", sublinhou o ministro.

 

Para refutar as alegações dos deputados da direita à esquerda, segundo as quais o acordo de venda inclui uma garantia do Estado à Lone Star, Centeno garantiu que "as autoridades europeias avaliaram este mecanismo [de partilha de riscos dos activos problemáticos do Novo Banco] como não sendo uma garantia".

 

"Este é um negócio equilibrado. Até porque há o mecanismo de troca de dívida. As primeiras perdas são da Lone Star e da almofada permitida pela troca de dívida", frisou.

 

Segundo o ministro, com o aumento de capital assegurado pela Lone Star e o reforço de solidez assegurado pelos obrigacionistas, os rácios de capital do Novo Banco ficam em "15,5% a 16%, no momento da venda". "Com esta venda o banco está estabilizado e está capitalizado. Nada disto existia em Agosto de 2015 e estava programado em Dezembro de 2015, quando nem sequer o processo de venda tinha sido relançado", afirmou numa crítica ao anterior Governo.



(Notícia actualizada às 14:04)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub