Energia Centros de resíduos perigosos “subutilizados” por falta de enquadramento legal

Centros de resíduos perigosos “subutilizados” por falta de enquadramento legal

Os dois CIRVER existentes em Portugal lamenta o atraso na publicação da lei dos solos contaminados que, consideram, têm deixado o seu negócio abaixo das estimativas previstas na abertura.
Centros de resíduos perigosos “subutilizados” por falta de enquadramento legal
Bruno Simão/Negócios
Negócios 07 de junho de 2017 às 15:55

Os dois centros de tratamento de resíduos perigosos existentes em Portugal consideram que a sua utilização está abaixo da capacidade instalada e do previsto aquando dos concursos para a sua exploração.

Um estudo divulgado esta quarta-feira, 7 de Junho, fala numa "subutilização" da capacidade instalada dos dois Centros Integrados de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos (CIRVER).


O cenário é justificado não só pelas "reduzidas" quantidades de resíduos perigosos e pela "falta de enquadramento legal que complemente o actual regime jurídico", nomeadamente regras sobre a classificação dos resíduos.


"O atraso na publicação da lei dos solos contaminados que torne imperativa a avaliação de contaminação de solos e respectivo encaminhamento para operações de tratamento adequadas, agrava a resolução deste problema em Portugal. O adiamento da entrada em vigor deste quadro legal tem contribuído para a subutilização das unidades de descontaminação dos solos dos CIRVER com capacidade disponível para tratamento", consideram as sociedades Ecodeal e Sisav em comunicado.


Localizados no concelho de Chamusca, os dois centros de tratamento de resíduos perigosos começaram a funcionar em 2008, evitando a necessidade de enviá-los para o estrangeiro por falta de alternativas.

Ao fim de nove anos, estimam um investimento total de 66 milhões de euros e a criação de 310 postos de trabalho. Em 2015, cada tonelada processada tinha um custo de 72 euros.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub