Imobiliário Century 21 apela a "estratégia integrada" para o imobiliário

Century 21 apela a "estratégia integrada" para o imobiliário

Mais informação e equilíbrio na hora de fechar negócio. Ricardo Sousa defende que é necessário proteger o mercado nacional perante a tendência de pressão nos preços do imobiliário.
Century 21 apela a "estratégia integrada" para o imobiliário
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 18 de Outubro de 2016 às 16:29

O director-geral da Century 21 Portugal, Ricardo Sousa, apela a uma estratégia integrada para o sector do imobiliário, para um equilíbrio entre a vertente habitacional e turística.

 

"Em Portugal é fundamental uma estratégia integrada" e "maior transparência da informação" do sector, afirmou esta terça-feira, 18 de Outubro, na segunda edição do Observatório: O Imobiliário em Portugal, uma iniciativa conjunta do Negócios e da Century 21.

 

Nesta altura, a procura nacional para a compra de casa e arrendamento está a aumentar. A maioria das transacções tem-se vindo a centrar em zonas periféricas, porque aí o preço é mais acessível à maioria das bolsas das famílias portuguesas.

 

"Tem de haver alguma prudência nas políticas, para que se proteja o mercado doméstico que é o motor da economia portuguesa", reforçou perante a tendência de subida dos preços das habitações nos centros das cidades, em parte provocada pela pressão turística.

 

Ricardo Sousa apela à promoção de construção nova em Portugal e acredita que o ritmo de  crescimento do número de transacções imobiliárias irá abrandar. "Os preços vão manter uma evolução bastante estável", rematou.

 

As declarações surgem depois de conhecido um novo imposto, a incidir sobre o património imobiliário acima dos 600 mil euros. A medida consta da proposta do Orçamento do Estado para 2017.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Trabalho no mercado financeiro no Brasil,estamos formando um fundo para investir em Portugal já temos comprometido, Euros 25m,por indicação minha acho os ativos muito baratos,confeso que pesou na minha analise aí o meu erro,o coração, cega,adoro. Portugal, Lisboa.Acabo de sair de uma reunião,entretanto fui voto vencido,com o argumento: esta igual ao Brasil da Dilma a louca colocou a ideoligia comunista acima dos interesses do pais quebrou o Brasil,para o mercado Portugal é um pais comunista todas as mesas dos grandes Bancos internacionais comentam isso ,aleguei que Presidente da Republica era um Liberal,mais não adiantou: piorou o Dr. Marcelo na opinião do mercado é que é um cara competentíssimo,sabe que essa medida é um tiro no pé da economia Portuguesa o aumento de impostos do imobiliário,como economista é uma aberração vai desviar recursos geradores de emprego e renda,para a Espanha, e cair a receita,inacreditavel mexer no que dando certo,só por ideologia sem nenhum fundamento economico se quisese parar já tinha feito, mais quer ficar bem com os comunista, esses políticos colocam os interesses pessoais acima dos da Patria.Fiquei sozinho ainda passaram na minha cara a Espanha que já declarou que vai baixar os impostos, para investimento imobliario, com toda a confusão politica,conseguiram separar a politica da economia.Deram a missão para outro Gerente sai de cabeça baixa humilhado.No final ainda disseram não viu que fizeram com a TAP sei que pelas minhas me chamaram de babaca,incompetente .Pena Portugal não merece.

Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES


EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

pub