Empresas Cerâmica portuguesa bate recorde e “cristaliza” liderança nos Estados Unidos

Cerâmica portuguesa bate recorde e “cristaliza” liderança nos Estados Unidos

Após ter batido o recorde de exportações no ano passado, a indústria portuguesa de cerâmica e cristalaria vai debutar no mais importante certame do sector da América do Norte, em Chicago, para reforçar as vendas de um dos segmentos do sector no seu principal mercado.
Cerâmica portuguesa bate recorde e “cristaliza” liderança nos Estados Unidos
2016 foi o melhor ano de sempre para as exportações portuguesas de produtos cerâmicos e de cristalaria.
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Neves 06 de junho de 2017 às 16:03

"Ceramics - Portugal does it better" - é com este slogan que a Associação Portuguesa da Indústria de Cerâmica e de Cristalaria (Apicer) vai andar a promover a inovação, o design e a qualidade do "made in" nacional em três mercados que considera estratégicos: Estados Unidos, Reino Unido e Emirados Árabes Unidos.

 

É já na próxima segunda-feira, 12 de Junho, que a campanha da Apicer vai debutar naquele que é considerado o maior importante certame de design comercial da América do Norte - a Neocon, em Chicago, Estados Unidos.

 

"A Apicer está apostada em marcar presença nos maiores centros nevrálgicos e decisores do que de melhor se faz na indústria e nos negócios", sendo que "esta acção de internacionalização e promoção da cerâmica e cristalaria nacionais com o conceito ‘Ceramics - Portugal does it better’ acontece, em primeiro lugar, na Neocon, nos Estados Unidos, por ser uma feira que se realiza há mais de 45 anos", explica o presidente da associação, José Sequeira.

 

"O certame é, ainda hoje, a principal plataforma mundial na indústria de design comercial, onde centenas de empresas de todo o mundo mostram as últimas novidades e produtos", enfatiza o mesmo dirigente associativo.

 

Em termos globais, os Estados Unidos é o terceiro maior mercado das exportações portuguesas de produtos cerâmicos, valendo 9,6% do total, mas em relação à área de cerâmica utilitária e decorativa, em particular no segmento da louça de uso doméstico em faiança e barro fino, barro comum e grés, este país é o primeiro mercado de destino das vendas nacionais no exterior.

 

Na Neocon, que decorrerá até 14 de Junho, a Apicer vai expor peças de design de marcas de referência da indústria cerâmica e de cristalaria nacionais, algumas das quais foram premiadas com galardões internacionais.

 

Depois de, no final da década passada, a cerâmica portuguesa, sobretudo a louça, ter sofrido uma quebra bastante forte devido "à concorrência desleal, sobretudo de países asiáticos", a indústria nacional começou a recuperar face às medidas anti-"dumping" aplicadas na Europa.

 

E eis que nunca a indústria portuguesa de cerâmica e cristalaria vendeu tanto nos mercados internacionais, tendo em 2016 batido o recorde com as exportações de cerâmica a atingirem os 701 milhões de euros, enquanto as de cristalaria se situaram nos 82 milhões de euros - respectivamente, mais 6,3% e 13% do que no ano anterior.

 

Em termos de balança comercial, a de cerâmica cifrou-se em 573 milhões de euros, com uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 547%, e a de cristalaria em 40 milhões de euros, com a taxa de cobertura a cifrar-se nos 196%

 

Em 2016, Em 2016, a cerâmica portuguesa chegou a 163 mercados internacionais. Para o conjunto de produtos cerâmicos (onde se inclui a cerâmica utilitária e decorativa, pavimentos e revestimentos, louça sanitária, telhas e outros), França é o principal mercado de destino, seguindo-se Espanha, Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido.

 

Já a cristalaria nacional chegou a 118 mercados internacionais, sendo Espanha o país de destino principal, seguindo-se os Países Baixos, Alemanha, França e Estados Unidos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub