Banca & Finanças CGD: a nova polémica explicada por Domingues há dois meses

CGD: a nova polémica explicada por Domingues há dois meses

António Domingues esteve na comissão de inquérito à CGD em Setembro, onde admitiu ao PSD e CDS que ainda antes da saída formal do BPI esteve em reuniões com a Comissão Europeia e BCE. Explicações, longe da polémica de agora.
CGD: a nova polémica explicada por Domingues há dois meses
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 24 de Novembro de 2016 às 17:36

António Domingues está debaixo de nova polémica sobre a Caixa Geral de Depósitos. Mas a polémica, lançada pelos eurodeputados do PSD e impulsionada pelo partido em Portugal, não é nova. Já foi, aliás, respondida. A 27 de Setembro. Aos próprios deputados do PSD. E do CDS, que também já pediu agora esclarecimentos sobre o tema

 

Qual é a polémica? Domingues esteve em reuniões com a Comissão Europeia sobre a recapitalização da CGD antes de assumir a presidência do banco público e quando era ainda vice-presidente do BPI. A resposta foi dada por Bruxelas a perguntas dos eurodeputados do PSD. É daí que o partido, através de José Manuel Fernandes a 23 de Novembro, questiona o conflito de interesses a que António Domingues estava sujeito. Em Lisboa, Luís Montenegro pediu esclarecimentos "urgentes" ao primeiro-ministro António Costa. Paulo Rangel pediu a demissão do secretário de Estado do Tesouro, Ricardo Mourinho Félix.

 

Mas nem é preciso dois meses para constatar que António Domingues já o tinha admitido na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos e explicado o que se tinha passado. E, nessa data, não houve a polémica a que se assiste esta quinta-feira, 24 de Novembro.

A audição

 

Na audição de 27 de Setembro, Domingues desenhou o percurso desde o primeiro dia em que foi contactado pelo Governo. "Fui abordado pelo senhor ministro das Finanças no dia 19 de Março, que me convidou para olhar para a hipótese de liderar a CGD. Pedi algum tempo para pensar, analisar a situação e perceber o que se passava".

 

"Desde o dia 19 de Março e até 16 de Abril, que foi o dia que se tornou público que tinha aceite o convite e que manifestei ao Governo a minha disponibilidade, tomei um conjunto de iniciativas: desde logo, falar em Frankfurt e Bruxelas para saber em que condições, o que era necessário fazer, para que a CGD pudesse ser capitalizada adequadamente fora das ajudas de Estado", começou por contar Domingues ao deputado centrista João Almeida.

 

Dessas reuniões, o antigo vice-presidente do BPI retirou conclusões: "Das minhas diligências junto do BCE e Bruxelas, constatei que era possível desenhar o plano de capitalização e estratégico para a CGD em que o aumento de capital pudesse de ser feito de forma adequada".

 

A 16 de Abril comunicou ao ministro a disponibilidade. "Informei os meus colegas da administração do BPI, que estavam ao corrente, e desde essa data deixei de participar na actividade. E, posteriormente, resignei em termos formais".

 

PSD perguntou o que PSD agora questionou

 

O tema voltou depois à mesa da audição pela voz de Carlos Costa Neves, o deputado do PSD responsável por fazer perguntas ao presidente da CGD naquela audição. Aí, Domingues voltou a dizer que depois de contactado pelo Executivo quis esclarecer que tinha condições para actuar.

"Nessa altura, pedi ao Governo que me organizasse três reuniões: uma em Frankfurt, outra em Bruxelas e outra com o governador do Banco de Portugal - as entidades da tutela e da supervisão e, além disso, a Direcção-Geral da Concorrência, para saber o quadro em que me podia mexer". "Das minhas diligências em Bruxelas, Frankfurt e governador, reuni um conjunto de conclusões que me levaram a transmitir ao Governo as condições necessárias", completou. 

Em comunicado, o Ministério das Finanças admitiu que houve reuniões com Domingues mas que foi sempre o secretário de Estado a que liderou o processo. 

 

A resignação um mês depois

 

Após as reuniões, Domingues já contava com estimativas para a capitalização da CGD. "Deixei de participar na vida do BPI a 15/16 de Abril. Deixei de ter qualquer função no BPI", adiantou.

 

Contudo, a data de renúncia formal foi apenas a 30 de Maio. "Entreguei a carta a 30 de Maio. Formalmente, acontece em Maio. Mas pela simples razão de … Não sei explicar porque entreguei a carta em Maio e não em Abril. Não me pareceu que fosse um assunto da maior importância".


Aí, o PSD, pelo mesmo deputado Costa Neves, já tinha dito que não era "desejável" estar a trabalhar em duas instituições concorrentes. 

 

Havia conflito de interesse? Domingues disse na mesma audição do inquérito parlamentar que tudo foi negociado com base na análise ao balanço da CGD, que diz conhecer porque estava num dos principais concorrentes, e também da sua própria avaliação. Governo e gestor estão alinhados numa ideia: não havia informação confidencial nas suas mãos. 

 

Por explicar está uma questão: Domingues contratou a McKinsey e a sociedade de advogados Campos Ferreira, Sá Carneiro a expensas próprias quando ainda não estava no banco mas quis colocar o encargo na CGD. A decisão seria da administração mas ainda não se tornou público quem assumiu tal custo, ainda desconhecido. 




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Legru Há 1 semana

Como o meu anterior comentário desapareceu, vou voltar à carga. Está provado e confirmado, até pelo primo do Mourinho, que o Sr. Domingues esteve na UE enquanto administrador do BPI para se apresentar aos srs. da europa. Mas o Sr. Domingues não tinha informações sobre a situação da CGD. - O que foi lá fazer? - Diz o Sr. Mourinho que foi-se mostrar aos srs. da europa (só pode ser para rir).
Outra questão que me intriga é: Sendo o Sr. Domingues funcionário do BPI, quem pagou a viagem (já que o salário terá sido pago pelo BPI)?
A partir daqui, coloco as seguinres questões: Se O BPI sabia do que se passava, concordou e participou, será sinal de que queria ver o Sr. Domingues pelas costas. Se não sabia, será um sinal que em nada abona a favor da sua gestão, e que mereceria a reposição dos gastos efectuados pelo Sr. Domingues nas suas deslocações à UE.

comentários mais recentes
ÉTICA É COISA QUE SEMPRE PASSOU AO LADO DE PASSOS Há 1 semana

A guerrilha que Passos mantém sobre a não entrega de declarações pelos administradores da CGD é apenas e tão-só um pretexto camuflado e hipócrita para esconder o verdadeiro motivo, que é inviabilizar a recapitalização da CGD com fundos públicos, para que a CGD tenha de se abrir aos privados
PONTO

pertinaz Há 1 semana

SR. COSTA (DESCENDENTE DE INDIANOS)

SOMOS UM POVO TOLERANTE E DE BRANDOS COSTUMES...

... MAS NÃO ACEITAMOS SER GOVERNADOS POR UM DITADOR...

... DEFENSOR DE UMA SOCIEDADE DE CASTAS...

... EM QUE UNS SÃO FILHOS E OUTROS ENTEADOS...

JÁ CHEGA DE CANALHICE !!!

Anónimo Há 1 semana

A Mortagua ainda esta devaixo de uma pedra? Nao salta para a ribalta para dizer o que pensa disto? Claro que nao. A sede do poder é imensa. Nao passa de uma oportunista e trepadeira.

Anónimo Há 1 semana

Lamentavel. Antonio Domingues nao despede se do BPI, vai a reunioes piscar o olho, tem acesso a informacao indevida, sabe se la o que comprou ou vendeu, elege uma equipa que tem de ir a aprender sobre a banca, nao quer apresentar rendimentos, tem processos, e a vida continua! E o Negocios defende!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub