Banca & Finanças CGD: António Domingues deve voltar ao Parlamento na próxima semana

CGD: António Domingues deve voltar ao Parlamento na próxima semana

A segunda comissão parlamentar de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) aprovou hoje o pedido do PSD para ouvir novamente o ex-presidente do banco público, António Domingues, com PS e PCP a absterem-se na votação.
CGD: António Domingues deve voltar ao Parlamento na próxima semana
Miguel Baltazar
Lusa 29 de junho de 2017 às 18:47
O presidente da comissão, o social-democrata Aguiar-Branco, comprometeu-se a tentar agendar a audição para a próxima semana, entre quarta e sexta-feira.

De acordo com o requerimento do PSD, o pedido de nova audição é justificado "face às manifestas contradições entre os depoimentos do dr. António Domingues e dos membros do Governo" ouvidos na Comissão.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, foram os únicos membros do Governo ouvidos na comissão que tem por objecto apurar a actuação do actual Governo na nomeação, gestão e demissão da anterior administração da CGD.

A comissão aprovou ainda, por unanimidade, um requerimento do Bloco de Esquerda para formular perguntas por escrito à consultora McKinsey, que apoiou Domingues nas negociações com Bruxelas ainda antes de assumir o cargo.

Aguiar-Branco fixou até terça-feira de manhã o prazo para que sejam enviadas as perguntas à consultora, à qual será pedida uma resposta em cinco dias.

O BE abdicou dos requerimentos anteriormente entregues para que fossem ouvidos pela comissão Elsa Roncon, ex-diretora-geral do Tesouro e Finanças, e Francisco Sá Carneiro, advogado da CS Associados.

O coordenador do PS na comissão, o deputado João Paulo Correia, alertou que o mandato desta termina a 11 de julho, mas não ficou ainda decidido se irá ser solicitada uma suspensão ou prorrogação dos trabalhos.

Um dos pontos centrais desta comissão de inquérito, pedida potestativamente (de forma obrigatória) por PSD e CDS-PP, é apurar se "é verdade ou não que o ministro [das Finanças] negociou a dispensa da apresentação da declaração de rendimentos [de António Domingues]", o que foi sempre negado pelo Governo.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub