Taxas de juro CGD corta juros nos depósitos para metade a partir de hoje

CGD corta juros nos depósitos para metade a partir de hoje

O banco liderado por António Domingues tinha comunicado aos clientes a descida da remuneração dos depósitos, que entra em vigor esta quinta-feira.
CGD corta juros nos depósitos para metade a partir de hoje
David Martins/Correio da Manhã
Raquel Godinho 03 de Novembro de 2016 às 12:50
O preçário do banco do Estado nos depósitos entra em vigor esta quinta-feira, resultando num corte das taxas de juro nas aplicações a prazo para cerca de metade.
 
Tal como o Negócios noticiou a 6 de Outubro, a Caixa Geral de Depósitos informou os seus clientes no mês passado que a partir de 3 de Novembro iria rever em baixa a taxa de juro dos depósitos a prazo.
 
Na maior parte dos casos, a remuneração é cortada em metade, sendo que a taxa anual nominal bruta (TANB) passará de 0,1% para 0,05%.
 
O banco do Estado informou ainda que será alterada a regra de regime de juros na mobilização antecipada dos depósitos. Ou seja, se até agora sobre o capital mobilizado só são pagos juros se a mobilização antecipada ocorrer depois do 90.º dia do depósito, a partir de 3 de Novembro "passará a vigorar a regra da perda total de juros corridos para o montante de capital mobilizado antecipadamente".
 
O banco liderado por António Domingues não é o único a cortar a remuneração dos depósitos, um produto de poupança por excelência das famílias portuguesas, mas que rende cada vez menos. De acordo com os dados do Banco Central Europeu, a remuneração média das novas aplicações afundou para 0,38% em Agosto, o que representa o valor mais baixo desde que o BCE começou a recolher estes dados, em Janeiro de 2000. No mês anterior, o juro destas aplicações tinha atingido os 0,40%.

Nos novos depósitos até um ano a taxa média também caiu para 0,36% face aos 0,37% fixados em Julho. Este é também o valor mais baixo desde que há registo. Há vários meses que a taxa de juro tem vindo a cair e a atingir mínimos históricos sucessivos, em linha com a queda das Euribor que, no prazo a três meses, atingiu, esta quinta-feira, 3 de Novembro, o valor mais baixo de sempre nos -0,313%.



A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 4 dias

Ora aí está: cortar nos interesses dos clientes para engordar os suinos que agora são os DDT da CGD

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

esta é mais uma para rir!
Depois dizem que não há poupança?
As pessoas atualmente fazem bem em não revelarem as suas formas de poupanças.
Só assim se podem precaver para o futuro que aí vem.

Anónimo Há 4 dias

35000 por mês e provavelmente algum por fora para financiar partidos pela porta do cavalo. Assim se faz política em Portugal, terra de gente indiferente, inculta e profundamente subserviente. É uma reprise agravada dos anos 60 com a agravante, ou não, de termos muito mais licenciados em estupidez.

Anónimo Há 4 dias

Até podem pagar mais ou menos juros que me é indiferente. Dinheiro fora de todo e qualquer banco, mas então na CGD nunca.
Lamento que o BE e o PCP votem a favor deste orçamento e deixem passar salários injustos e impossíveis em empresas falidas. Está visto que o BE é esquerda caviar. Votem PNR.

Anónimo Há 4 dias

Juntem-se todos os clientes na Caixa e tentem levantar o vosso dinheiro e vão ver o que acontece.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub