Banca & Finanças CGD disposta a dar mais tempo à Artlant em Sines

CGD disposta a dar mais tempo à Artlant em Sines

Em entrevista ao Expresso, Paulo Macedo diz que a Caixa tem estado em contacto com potenciais investidores, entre os quais algumas entidades estrangeiras.
CGD disposta a dar mais tempo à Artlant em Sines
Negócios 12 de agosto de 2017 às 11:52
O presidente da Caixa Geral de Depósitos diz que a instituição está disponível para dar mais tempo para que a Artlant - gestora do projecto petroquímico de Sines, recentemente declarada insolvente e de que a CGD é credora - resolva os seus problemas. Mas com condições.

"Se for possível uma solução que garanta a manutenção da fábrica e dos posto de trabalho," o banco público está disposto a dar mais tempo à empresa, disse Paulo Macedo ao Expresso, em entrevista publicada este sábado, 12 de Agosto.

O responsável diz que a instituição tem levado a cabo contactos com potenciais interessados, alguns dos quais estrangeiros, mas que o objectivo da realização da operação é minimizar perdas. 

No início do mês soube-se que o banco está a liderar o processo para viabilizar a fábrica de Sines, a que o banco chegou a estar exposto em 520 milhões de euros, um montante já totalmente reconhecido como perdido.

Essa solução para a fábrica que está inactiva há quase um ano (desde 19 de Setembro passado) está a ser desenhada com o envolvimento da AICEP. A assembleia de credores da empresa está agendada para 19 de Setembro.

Na mesma entrevista, o presidente da Caixa afirmou que há mais interessados em créditos não performantes imobiliários da instituição do que há um ano e que na área da construção se concentram muitos dos grandes devedores comuns à banca nos últimos anos.

Paulo Macedo disse ainda que a solução conjunta para o malparado, que envolve os outros bancos, continua em estudo.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

não fazem mais que o seu dever, primeira bancarrota de Portugal, aguentar com os retornados(funcionários públicos?) quem não os conhecer que os compre, incluindo o PC

General Ciresp Há 1 semana

De uma coisa estas seguro:tudo aquilo que fizeres,tera sempre o aval da canhotada radical,mais,eles nem querem que se rastreie o mal vivido.Nao sei quem foi que disse:nada sera como dantes,mas afinal vai ser exactamente isso que vai acontecer.O mal ficou,as dores aliviaram e o quotidiano nao para.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub