Banca & Finanças CGD investigada por "encobrir" falsificação de contas em Paços de Ferreira

CGD investigada por "encobrir" falsificação de contas em Paços de Ferreira

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) é suspeita de ter compactuado com a “falsificação de contas” de uma empresa municipal de Paços de Ferreira, a PFR Invest, refere o Jornal de Notícias.
CGD investigada por "encobrir" falsificação de contas em Paços de Ferreira
David Martins/Correio da Manhã
Negócios 14 de fevereiro de 2017 às 09:11

A Caixa Geral de Depósitos recorreu ao tribunal para tentar que a Câmara Municipal de Paços de Ferreira pagasse os 24 milhões de euros emprestados à PFR Invest, uma empresa municipal criada para gerir as zonas industriais da Capital do Móvel. Mas no final do processo o município foi absolvido. É agora a CGD que será investigada pelo Ministério Público, Tribunal de Contas e Inspecção-Geral de Finanças, já que é suspeita de ter omitido e compactuado com a "falsificação de contas da PFR Invest relativas a 2010, 2011 e 2012, segundo avança esta terça-feira, 14 de Fevereiro, o Jornal de Notícias.

O diário explica que o caso remonta a 2008, altura em que a empresa municipal pediu um empréstimo de 20 milhões. Como garantia, a PFR Invest apresentou um documento no qual o então presidente da Câmara, Pedro Pinto, se obrigava a transferir para a empresa municipal os montantes necessários ao seu equilíbrio financeiro.

Em Setembro de 2010 a empresa começou a falhar pagamentos e em 2015 foi declarada insolvente e o novo autarca, Humberto Brito, recusou pagar a dívida.

A CGD recorreu para tribunal para reclamar o dinheiro. Mas no acórdão os juízes sustentam que o município "não se obrigou a pagar o empréstimo contraído", mas a garantir o equilíbrio das contas.

O Tribunal sustenta que por ser credora de duas prestações a CGD já sabia que as contas da PFR Invest – que em 2010, 2011 e 2012 apresentou resultados positivos – não eram as anunciadas. A CGD "silenciou a falsificação de contas e agiu activamente com esta e o então presidente da Câmara, no sentido dessa falsificação de contas ser encoberta", concluem os juízes, que enviaram o processo para investigação.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tem que serem do PSD ? Há 1 semana

È por isso que eles querem regressar ao poder,mas o povo vai abriu o olhos e corre com eles ,votante do PSD vou votar Geringonça.é gente séria.

Irmaosmetralha Há 1 semana

...por esta e por outras o Banco de Portugal e a CMVM querem esconder dos cidadãos contribuintes os maiores devedores da CGD...nem imaginamos as vigarices e falcatruas que por aí andam escondidas na CGD...! É só malta a "encher-se" à custa dos contribuintes que agora entram com 6 mil milhoes na CGD!

Camponio da beira Há 1 semana

Oquê, bancos a vigarizar contas? nâ não acredito, de há institiuições que sabem fazer tudo direitinho são os bancos, não estivessem os seus intermináveis conselhos de administração cheiinhos de competentissimos politicos.

Anónimo Há 1 semana

Daniel mais um labrego que trata de questões de dinheiros públicos como se fosse o campeonato da 1-Liga de futebol. Aliás nomear partidos nestas questões só demonstra 2 coisas. Ou ignorância, ou cartão partidário para entrar na linha de sucessão da "MAMA". Tire a serradura da frente das "vistas".

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub