Banca & Finanças CGD: Jorge Miranda diz ser lamentável que administradores não entreguem declarações

CGD: Jorge Miranda diz ser lamentável que administradores não entreguem declarações

"Não percebo. Independentemente do diploma que o Governo aprovou, há outra lei que impõe mesmo a entrega de declarações", frisou o constitucionalista.
CGD: Jorge Miranda diz ser lamentável que administradores não entreguem declarações
Lusa 15 de Novembro de 2016 às 19:18
O constitucionalista Jorge Miranda (na foto) defendeu esta terça-feira, 15 de Novembro, que é lamentável que os administradores da Caixa Geral de Depósitos não apresentem ao Tribunal Constitucional as declarações de rendimentos, considerando que aquelas têm de ser públicas.

"É uma situação lamentável e eu entendo que os administradores têm de cumprir a lei, têm de cumprir a obrigação legal, e, até diria, obrigação ética, correspondente às funções que desempenham", afirmou à Lusa Jorge Miranda.

O constitucionalista argumentou que quem exerce um cargo público "já não tem propriamente direito a um sigilo relativamente a esses aspectos da sua vida" e que podem recorrer aos tribunais no caso de a comunicação social ou as pessoas, em geral, usarem dados dessas declarações para fazer "chicana política", "ataques pessoais" ou "calúnias".

"Se qualquer pessoa, seja qual for o cargo que exerce, tem direito ao respeito desse círculo íntimo da vida privada, sem dúvida, quem exerce um cargo público já não tem propriamente direito a um sigilo relativamente a esses aspectos da sua vida", sustentou.

"No entanto, isso não significa que a comunicação social e, em geral, as outras pessoas, possam aproveitar-se das declarações que são entregues no Tribunal Constitucional para fazer chicana política, fazer propaganda, fazer ataques pessoais, calúnias, etc", acrescentou.

Apesar do "equilíbrio entre dois interesses, dois bens" que tem de ser encontrado, Jorge Miranda sublinhou não ver "porque é que os administradores da Caixa Geral de Depósitos teimam em não entregar as declarações".

"Não percebo. Independentemente do diploma que o Governo aprovou, há outra lei que impõe mesmo a entrega de declarações", frisou.

Para Jorge Miranda, "se há instituição pública em Portugal é a Caixa Geral de Depósitos, o banco público, que vai ser recapitalizado com dinheiro do Estado, que representa dentro do Estado uma função de extrema importância".

"Porque razão é que um gestor da Caixa Geral de Depósitos não tem de entregar a declaração e, por exemplo, um vogal de uma qualquer entidade administrativa independente tem de entregar?", questionou.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SÓ AGORA SE LEMBRARAM Há 3 semanas

Que todos c cidadãos devem entregar as declarações. Só questiono pq razão os antigos n o fizeram?
Uma vez q a lei existe deve ser cumprida mas já devia s cumprida anteriormente.
Pq só se lembraram de fazer este burburinho agora e n o fizeram antes? Estavam todos a dormir ou assim convinha?

Camponio da beira Há 3 semanas

Esta historia cheira a Panamá!

pub
pub
pub
pub