Banca & Finanças CGD: Pedro Silva Pereira adverte que casos com administradores prejudicam Governo

CGD: Pedro Silva Pereira adverte que casos com administradores prejudicam Governo

O eurodeputado socialista Pedro Silva Pereira defendeu a necessidade de urgente resolução das questões relacionadas com a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), advertindo que as polémicas estão a prejudicar a acção do Governo.
CGD: Pedro Silva Pereira adverte que casos com administradores prejudicam Governo
Parlamento Europeu/União Europeia
Lusa 05 de Novembro de 2016 às 15:49

De acordo com dirigentes socialistas contactados pela agência Lusa, a intervenção do antigo ministro da Presidência dos governos liderados por José Sócrates sobre a situação da CGD acabou por ser a mais marcante da reunião da Comissão Nacional do PS, que durou cerca de três horas.

 

Com o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, a ouvi-lo, Pedro Silva Pereira referiu-se às controvérsias em torno dos salários e da obrigatoriedade ou não de os administradores da CGD terem de entregar declarações de rendimentos e de património no Tribunal Constitucional.

O eurodeputado socialista advertiu depois que é urgente a resolução destes dois tipos de questões, alegando que estão a "prejudicar" a acção global do Governo.

 

Na reunião da Comissão Nacional do PS, António Costa também escutou a eurodeputada socialista Maria João Rodrigues defender a necessidade de uma mudança de paradigma económico para que o país possa registar a prazo maiores taxas de crescimento.

 

Também em defesa de uma mudança do modelo económico do país, o dirigente socialista Daniel Adrião sustentou que Portugal é o único país europeu em que a mão-de-obra qualificada é remunerada ao nível da mão-de-obra indiferenciada". "Portugal não pode entrar no segmento de competição de mercado com países como o Camboja ou o Bangladesh. Este Governo tem de ser mais bem-sucedido na equação do crescimento económico", disse.

 

Tal como já tinha feito na reunião da Comissão Política do PS, em Outubro, o sindicalista da UGT José Abraão considerou que a proposta de Orçamento do Estado para 2017 "está aquém das expectativas e deve ser melhorada em sede de especialidade".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Sera isto teatro,ou sera mesmo que estes leigos nao conheciam o d.branca?Acho que ja todos nos vimos do que ele e capaz:nao olha a meios para atingir seus fins.Bateu-se pela teimosia em kerer meter nariz nas contas bancarias que nao lhe dizem resp.,e aqui mete as asas a tapar o que nao deve.FALSO.

pub
pub
pub
pub