Banca & Finanças CGD regista prejuízos de 189 milhões

CGD regista prejuízos de 189 milhões

A Caixa Geral de Depósitos passou de lucros de três milhões de euros entre Janeiro e Setembro de 2015 para perdas de 189,3 milhões nos primeiros nove meses deste ano.
CGD regista prejuízos de 189 milhões
David Martins/Correio da Manhã
Carla Pedro 18 de novembro de 2016 às 23:16

A CGD reportou um resultado líquido de 189,3 milhões de euros negativos nos primeiros três trimestres de 2016, contra 3,4 milhões positivos no período homólogo do ano passado e contra perdas de 205,2 milhões no primeiro semestre deste ano.

Já a margem financeira foi de 855 milhões de euros nos primeiros nove meses, contra 807 milhões um ano antes e 569 milhões no primeiro semestre, segundo o relatório e contas divulgado esta sexta-feira, 18 de Novembro, junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.


O produto bancário, por seu lado, ascendeu a 1.182 milhões de euros, uma diminuição face aos 1.615 milhões registados entre Janeiro e Setembro de 2015. E isto por foi "penalizado pela redução, em 370 milhões de euros, nos resultados de operações financeiras", justifica o banco. No final do primeiro semestre deste ano, o valor do produto bancário era de 755 milhões de euros.


No que diz respeito aos custos operativos, estes fixaram-se em 943 milhões de euros, contra 978 milhões no mesmo período do ano passado, "beneficiando da contenção em todas as suas componentes", refere o comunicado. Até Junho, tinham sido de 639 milhões.


As provisões e imparidades diminuíram face aos primeiros nove meses de 2015, ao passarem de 493 para 412 milhões de euros. Entre Janeiro e Junho, ascenderam a 328 milhões.

Quanto ao rácio que mede o peso do melhor capital (CET1), no regime phased in- [que segue as regras actualmente em vigor], este foi de 10,2%, refere o banco nas suas contas.

De sublinhar que no terceiro trimestre a Caixa teve duas lideranças distintas: António Domingues e a sua equipa entraram a 31 de Agosto, substituindo José de Matos no leme.


(notícia actualizada às 23:53)


A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Jose Mata Augusto 19.11.2016

como é possivel..coloquem a comandar essa coisa,uma mulher dona de casa,resolve e dá lucros

comentários mais recentes
Anónimo 20.11.2016

Os gestores, em vez de, insistirem poderem negociar contractos de "Deuses", deveriam pedir desculpa aos portugueses, pela "kaka" produzida, sobretudo nos últimos 20 anos e, devolver-lhes o que levaram para casa, mais, produto demmhabilidade, do que de trabalho responsável prestado!!!

carlos 19.11.2016

O que mais me preocupa é que a maior parte dos bancos europeus ( incluindo os espanhois)e non europeus ja estao a dar lucros e muitos! Em Portugal so o Santander e oBPI dao lucros, todos os outros ....... é so prejuizos! Muito preocupante , é preciso fechar balcoes e menos pessoal senao ....

Fernando Bação 19.11.2016

Podem compensar os gestores pela merda que fizeram como de costume.!!!!!!

Teresa Antunes Silva 19.11.2016

Com a grande ajuda da oposição para desestabilizar o processo de capitalização porque vai "pôr por Terra" a estratégia da oposição de privatizatizar a CGD!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub