Banca & Finanças CGD tem liquidez e capacidade para apoiar investimento

CGD tem liquidez e capacidade para apoiar investimento

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, garantiu esta terça-feira que a entidade bancária tem rácios, liquidez e capacidade para ajudar empresas e particulares a investirem em "oportunidades de negócio com rentabilidade".
CGD tem liquidez e capacidade para apoiar investimento
Lusa 26 de setembro de 2017 às 21:11

Na intervenção que realizou a encerrar o VII Encontro Fora da Caixa, promovido pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Faro, Paulo Macedo disse ser no Algarve que a entidade bancária "tem a sua maior quota de mercado" em todo o país e "trabalha com a generalidade das empresas, de uma forma mais sólida, mais robusta".

 

O presidente da Comissão Executiva da CGD afirmou que é "no Algarve que a Caixa tenta trabalhar cada vez com maior número de empresas de excelências" e assegurou o que o banco "está disponível para fazer crédito às empresas e aos particulares".

 

"A caixa tem os rácios de capital, tem a liquidez necessária, tem as pessoas, as agências, tem o conhecimento do mercado e tem também uma coisa muito importante, que é a procura internacional", acrescentou, frisando que o banco "tem nesta região do Algarve cerca de 15 mil milhões de linhas de crédito para renovar ou conceder" através de leasing, de médio e longo prazo ou outras modalidades.

 

Paulo Macedo disse haver claramente "uma vontade e um compromisso de crescer e apoiar esta procura" de oportunidades de investimento, mas considerou como "importante que o Estado faça o seu trabalho" e "continue a fazer as suas reformas, que o país precisa, na área da justiça, acelerando a resolução de conflitos, as insolvências, quando aplicável, que reduza o desbalanceamento que existe ao nível macroeconómico".

 

"Mas é muito importante que a banca diga e continue a evidenciar uma elevada liquidez", contrapôs, exemplificando com a evolução registada em Portugal, onde "há uns anos na banca havia rácios maus de crédito para depósitos de cerca de 160%" e "hoje existem rácios abaixo dos 100%".

 

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos disse que, em termos de saúde financeira, "a banca fez claramente um percurso de diminuição do seu endividamento e tem hoje um menor rácio, mais saudável e tem a liquidez necessária", assim como a "capacidade para financiar bons projectos".

 

Paulo Macedo disse que a Caixa se propõe a financiar "projectos de boa qualidade e projectos de bom risco" e que as empresas podem "tirar partido de taxas de juro historicamente baixas" e "de Portugal estar na moda" para "aproveitar as oportunidades de negócio que existem", porque "há vários investidores sentados em cima de liquidez e à procura de oportunidades de negócio com rentabilidade", considerou.

 

"Por isso, e para terminar, dizer-vos que entendemos que há uma oportunidade clara em termos de uma conjuntura favorável, o investimento e o crescimento ainda são ténues, mas são positivos, o sentimento é positivo, a procura nacional e internacional dirigida ao Algarve existe, é clara, está presente, não é apenas uma questão de potencial, a Caixa Geral de Depósitos tem liquidez, rácios de capital, tem pessoas e quer crescer convosco", concluiu.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Apoiar as empresas, mas não esquecer os clientes Há 3 semanas

A Caixa cumpre a sua função e vocação apoiando os investimentos das empresas.Tudo bem.Mas quem deposita dinheiro na Caixa, quem compra os seus produtos de investimento, são os seus mais de 4 milhões de clientes.Que a Caixa não os esqueça ou subalternize e que faça um esforço profundo para utilizar melhor o potencial imenso dos seus recursos humanos melhorando a qualidade dos produtos que oferece aos clientes e procurando que o aumento da venda desses produtos resulte não tanto de pressionar e hipotecar o prestígio da rede comercial para os vender, mas de um esforço profundo de melhoria da sua qualidade.

comentários mais recentes
Apoiar as empresas, mas não esquecer os clientes Há 3 semanas

A Caixa cumpre a sua função e vocação apoiando os investimentos das empresas.Tudo bem.Mas quem deposita dinheiro na Caixa, quem compra os seus produtos de investimento, são os seus mais de 4 milhões de clientes.Que a Caixa não os esqueça ou subalternize e que faça um esforço profundo para utilizar melhor o potencial imenso dos seus recursos humanos melhorando a qualidade dos produtos que oferece aos clientes e procurando que o aumento da venda desses produtos resulte não tanto de pressionar e hipotecar o prestígio da rede comercial para os vender, mas de um esforço profundo de melhoria da sua qualidade.

EUROPEU Há 3 semanas

Claro que sempre teve liquidez , o Berardo , os amigos do tal de Vale de Lobo que pregaram um calote garantido por nada assim o provam, capacidade não lhe faltará , basta aumentar mais um tanto o custo de manutenção de conta de pobres ( porque os atuais valores de isenção são apenas para indigentes)

General Ciresp Há 3 semanas

Olha que esta quase a chegar o dia de dar 50.000.000 de mao beijada a quem vos emprestou 10 vezes esse valor perpetuo.Pouca arrogancia,recomenda-se.

pub
pub
pub
pub