Banca & Finanças CGD e tutela em silêncio sobre salários da gestão
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

CGD e tutela em silêncio sobre salários da gestão

Nova gestão da CGD já recebeu salário, mas banco e tutela não divulgam valor. Média dos grandes bancos permite a Domingues ter remuneração anual bruta de 454 mil euros.
CGD e tutela em silêncio sobre salários da gestão
Miguel Baltazar
Maria João Gago 12 de Outubro de 2016 às 00:01

Mais de um mês depois de ter assumido funções, a nova administração da Caixa Geral de Depósitos  (CGD) já recebeu o primeiro salário, mas os valores ainda não são conhecidos. Tanto

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 semanas

A forma como esta questão é abordada, a narrativa dominante sobre ela é nojenta, é hipócrita, esconde o oportunismo mais alarve (é óbvio que o Centeno e o outro garoto secretário já imaginam quanto vão ganhar depois de sairem do Governo e irem para administradores de bancos) na medida em que os decisores tèm interesse directo presente ou futuro no empolamento dessas remunerações.

Vêm com a treta das comissões de remunerações que é a criação mais hipócrita, mais nojenta que esses tipos se favorecerem uns aos outros como casta e trocarem favores.

Se a comissão de vencimentos da CGD alinha com a média dos outros bancos, e quando se refere o Santader convinha acrescentar que dos bancos maiores foi o único que registou lucros entre os maiores nos últimos anos, como é que a média dos outros bancos foi formada e as remunerações em cada um deles foi alinhada com quem?


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Louvável que o JN tinha tido coragem de pegar neste tema depois do bloqueio de informação imposto pelo Governo e pela CGD. Só é pena relega-lo para 2º plano... Esperemos que não seja o CM a pegar no tema, um destes dias..

JCG Há 3 semanas

Se todos os fornecimentos ao Estado requerem concurso público e procura-se o preço mais baixo para o produto ou serviço especificado, porque é que isso não se aplica aos gestores das empresas do Estado? Francamente, acho que mal por malm mais valia terem contratado o Ulrich em vez do seu ajudante Domingos. Pelo menos o Ulrich tem coragem e tem-se exposto. O Domingos parece um pequeno amanuense burocrata, tipo rato de secretaria.

Que remunreação para os gestores da Caixa?
1ª remuneração mais alta, do chefe do executivo, o múltipo 15 (15 vezes) a remuneração mais baixa paga na CGD, enquanto a CGD tiver prejuizos ou tiver lucros que representem um ROI (taxa de lucro inferior à taxa máxima paga na dívida pública), se e quando os lucros ultrapassarem esse limiar, então o múltiplo pode subir para 20;

2ª distribuição porporcional ás remunerações de base de trabalhadores e administradores de até 20% dos lucros excedentes ao lucro necessário para cobrir a taxa mais alta paga na dívida pública como antes referi. Estou a ser claro?

Exemplificando: se a taxa máxima paga na dívida pública é por hipótese de 5% e se o Estado injetou 10 mil milhões de euros na CGD, dinheiro que obviamente faz parte da dívida pública, então os primeiros 500 milhões de lucros são para compensar o custo em juros do K injetado na CGD e só lucros acima desse valor e no excedente é que darão lugar à distribuição de lucros aos trabalhadores e administradores. Se por hipótese os lucros dorem de 600 milhões, então 20% de 100 milhões dá 20 milhões a repartir pelo pessoal. Isto sim seria transparência e seriedade. Aquilo que escorre e transpira é oportunismo boçal e pura sacanice.

JCG Há 3 semanas

A forma como esta questão é abordada, a narrativa dominante sobre ela é nojenta, é hipócrita, esconde o oportunismo mais alarve (é óbvio que o Centeno e o outro garoto secretário já imaginam quanto vão ganhar depois de sairem do Governo e irem para administradores de bancos) na medida em que os decisores tèm interesse directo presente ou futuro no empolamento dessas remunerações.

Vêm com a treta das comissões de remunerações que é a criação mais hipócrita, mais nojenta que esses tipos se favorecerem uns aos outros como casta e trocarem favores.

Se a comissão de vencimentos da CGD alinha com a média dos outros bancos, e quando se refere o Santader convinha acrescentar que dos bancos maiores foi o único que registou lucros entre os maiores nos últimos anos, como é que a média dos outros bancos foi formada e as remunerações em cada um deles foi alinhada com quem?


Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub