Empresas Chairman põe TAP a dar lucros em 2017 e na rota da bolsa em “três ou quatro anos”

Chairman põe TAP a dar lucros em 2017 e na rota da bolsa em “três ou quatro anos”

A TAP fechou o primeiro semestre com prejuízos de 52 milhões de euros, mas o chairman da companhia garante que a empresa vai fechar o ano com “resultado positivo”. Miguel Frasquilho considera ainda possível cotar a TAP em bolsa “num horizonte temporal de três a quatro anos”.
Chairman põe TAP a dar lucros em 2017 e na rota da bolsa em “três ou quatro anos”
Chairman da TAP anunciou que a companhia vai contratar 900 pessoas até 2018, das quais 700 comissários de bordo e assistentes e cerca de 200 pilotos.
David Martins
Negócios 21 de outubro de 2017 às 17:03

Miguel Frasquilho, chairman nomeado pelo Estado para o conselho de administração da TAP, não proferiu a palavra "lucros", mas afastou a companhia de terreno negativo para garantir que a empresa vai fechar o ano "com resultado positivo", apesar dos 52 milhões de euros de prejuízos registados no primeiro semestre.  

 

"Esses resultados aconteceram, de facto. São, apesar de tudo, melhores do que o orçamentado e temos a perspectiva de que o ano será fechado com resultado positivo", afirmou Frasquilho, em entrevista, este sábado, 21 de Outubro, ao "Dinheiro Vivo"-

 

O chairman da TAP atribuiu os expressos prejuízos verificados na primeira metade do ano ao facto de o sector da aviação ser "bastante sazonal", sendo que, explicou, "geralmente a segunda metade do ano é responsável por dois terços dos proveitos".

Já em entrevista à Centre for Aviation, Elton D’Souza, vice-presidente da TAP, afiançou que a companhia prevê duplicar os 34 milhões de euros de lucros registados no ano passado. "Esperamos dobrar o lucro em 2017, comparado com 2016", afirmou D'Souza. 

 

Já na entrevista ao "Dinheiro Vivo", questionado sobre quando é que a TAP terá condições para entrar em bolsa, Miguel Frasquilho respondeu que esse "é um desafio que vivemos", considerando possível que aconteça "num horizonte de três a quatro anos". A chegada da companhia ao mercado de capitais "vai depender muito de como a actividade evoluir", ressalvou o mesmo gestor.

 

Frasquilho enfatizou, de resto, o crescimento em curso da TAP, salientando que irão ser contratadas 900 pessoas até 2018, das quais "700 comissários de bordo e assistentes e um número próximo dos 200 pilotos, além das contratações que foram feitas no ano passado na manutenção e engenharia".

 

A TAP ´detida em 50% pelo Estado, 40% pelo consórcio Atlantic Gateway, de David Neelman, Humberto Pedrosa e os chineses da HNA, e 5% pelos trabalhadores.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
CAUTELA COM O LUCRO PELO LUCRO ... Há 17 horas

TAP com lucros sabe Deus à custa de quê, desde logo pela contenção nas despesas na manutenção dos aparelhos, a qual foi, desde sempre, o seu ponto de honra, que lhe granjeou, ao nível mundial, um lugar de relevo e de topo.
O próprio serviço oferecido, durante os vôos, baixou tb muito de qualidade.

General Ciresp Há 17 horas

Os incendios enevoaram-me os olhos.Creio que li esta semana neste Jornal q a tap este ano ate ao momento tinha tido lucros na ordem dos 37 milhoes de euros.Parece q a complementar a noticia dizia q foi a primeira vez q teve lucros nos ultimos 73 anos.Nasci com a tap a dar prejuizo e vou morrer assim

pub