Indústria Cheto investe três milhões no fabrico de máquinas para moldes em Oliveira de Azeméis

Cheto investe três milhões no fabrico de máquinas para moldes em Oliveira de Azeméis

A empresa de Oliveira de Azeméis, controlada pela Menlo Capital, juntou engenharia, assemblagem e formação num novo centro tecnológico, a inaugurar por Marcelo Rebelo de Sousa, e projecta vendas de dez milhões de euros em 2018.
Cheto investe três milhões no fabrico de máquinas para moldes em Oliveira de Azeméis
Direitos Reservados
António Larguesa 03 de dezembro de 2017 às 16:12
A Cheto Corporation, especializada no desenvolvimento e produção de máquinas de fresagem e furação profunda, acaba de completar um investimento de três milhões de euros num moderno centro tecnológico em Oliveira de Azeméis, onde está a concentrar as actividades de engenharia, assemblagem de componentes e formação aos funcionários dos clientes. 

O presidente da metalomecânica, Carlos Teixeira, adiantou ao Negócios que esta nova infra-estrutura, implantada numa área de 10 mil metros quadrados na Área de Acolhimento Empresarial de Ul-Loureiro, vai permitir encurtar os prazos de entrega das máquinas, que custam entre 400 e 800 mil euros. E aumentar também a capacidade de produção, já que passa a conseguir montar sete máquinas em simultâneo, quando até agora estava limitada a duas.

De 7,5 milhões de euros no final deste ano, as vendas da Cheto devem progredir para dez milhões de euros em 2018 em resultado deste investimento, que vai ser inaugurado na quinta-feira, 7 de Dezembro, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Com 95% da facturação dependente do sector dos moldes – só na Suécia e Noruega têm clientes que prestam serviços à indústria petrolífera –, esta produtora de máquinas-ferramentas assegura dois terços do negócio na exportação para Itália, Polónia, Estados Unidos, Canadá e Índia.

Fundada por Carlos Teixeira e Sérgio André, que no início de carreira tinham trabalhado na indústria de moldes e em 2009 juntaram os "perfis complementares" nas áreas técnica e comercial, a Cheto já recrutou seis trabalhadores para esta nova fase, empregando agora um total de 34 pessoas.

Embora já estivesse prevista anteriormente, esta expansão ganhou uma maior dimensão após a entrada na empresa da Menlo Capital, que gere o Fundo SC1 e tem como sócios Gonçalo de Mello e Ricardo Cunha-Vaz. Com a aquisição de acções, concretizada em 2016, a participação de cada fundador ficou reduzida a 10%, deixando a sociedade de capital de risco com uma posição de 80%.  



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub