Energia China Three Gorges diz estar "satisfeita" com actual administração da EDP, liderada por António Mexia

China Three Gorges diz estar "satisfeita" com actual administração da EDP, liderada por António Mexia

O maior accionista da eléctrica garante que não está envolvido em "qualquer tipo de discussão" sobre "potenciais alterações nos órgãos sociais da EDP". O mandato de António Mexia termina no final de 2017.
China Three Gorges diz estar "satisfeita" com actual administração da EDP, liderada por António Mexia
Lusa 10 de outubro de 2017 às 12:25
O maior acionista da EDP, a China Three Gorges (CTG), garantiu hoje estar "satisfeita" com a actual administração da EDP, liderada por António Mexia, e disse não estar "envolvida em qualquer tipo de discussão" sobre alterações nos órgãos sociais da empresa.

"A CTG não está envolvida em qualquer tipo de discussão, com nenhuma parte, sobre potenciais alterações nos órgãos sociais relevantes da EDP para o próximo mandato", afirmou a estatal chinesa, num comunicado enviado à agência Lusa em Pequim.

O grupo chinês, que na semana passada elevou a sua participação na EDP para 23,3%, num investimento de 208 milhões de euros, reage assim a uma notícia difundida este sábado pelo jornal Expresso.

O semanário avançou que a CTG quer substituir António Mexia à frente da EDP e que o sucessor deverá ser escolhido até ao final deste ano, apontando Francisco Lacerda, actual presidente dos CTT, como forte hipótese.

Em comunicado, a estatal chinesa garante estar "satisfeita com a performance" da EDP, "apesar dos desafios" enfrentados pelo setor.

"A CTG apoia totalmente a trajetória de sucesso da equipa de gestão da EDP, que tem sido capaz de manter um desempenho estável, sob um contexto desfavorável no sector e a nível macro", lê-se na mesma nota.

O grupo justifica ainda a sua decisão de aumentar a participação na EDP, pela primeira vez desde a privatização da empresa, por "acreditar" nos "fundamentos sólidos", "boas perspectivas de negócio" e "benefícios da parceria estratégica a longo prazo entre a CTG e a EDP".

"Isto, junto com a nossa convicção relativa ao pleno respeito pela lei e contratos existentes, foram os impulsionadores essenciais da recente decisão da CTG", aponta.

A decisão do grupo chinês surge numa altura em que é noticiado o interesse por parte dos espanhóis da Gas Natural na EDP, visando uma fusão das duas empresas ibéricas.

Em 2011, a empresa chinesa pagou 2,7 mil milhões de euros ao Estado português por 21,35% do capital da EDP, tornando-se o maior acionista da eléctrica portuguesa.



A sua opinião52
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 10.10.2017

A ESCUMALHA QUE NOS DESGOVERNA É ESPECIALISTA EM LANÇAR BOATOS...

Anónimo 10.10.2017

Pudera! mete-lhes tudo no olho do ku em desfavor dos portugueses! nem sei porque se está a pôr a possibilidade de mudança...

Anónimo 10.10.2017

Nos CTT também deve estar "bonito". A avaliar pela cotação (5.01) e por o CEO estar agora a "oferecer-se" para ir para CEO da EDP.

enéas 10.10.2017

Da maneira como vem se comportando em bolsa, qualquer outra declaração seria de espantar. Querem acalmar o mercado. A notícia (excelente) de que o Mexia será defenestrado continua a valer. Aliás, não a desmentiram, o que é sintomático.

ver mais comentários
pub