Comércio Chineses da Alibaba prometem um milhão de empregos a Trump

Chineses da Alibaba prometem um milhão de empregos a Trump

As divergências ideológicas ficaram fora do encontro entre Jack Ma e Donald Trump. A meta de integrar pequenos negócios norte-americanos na plataforma de comércio electrónico é agora palpável.
Chineses da Alibaba prometem um milhão de empregos a Trump
Bloomberg
Negócios 10 de janeiro de 2017 às 10:26

A plataforma chinesa de comércio eléctrico Alibaba planeia contribuir para a criação de um milhão de postos de trabalho nos Estados Unidos da América.

A promessa foi feita esta segunda-feira, 9 de Janeiro, num encontro em Nova Iorque entre o CEO Jack Ma (na foto) e o futuro presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump.


A Alibaba já tinha dado a conhecer a sua intenção de apoiar o surgimento de novos postos de trabalho nos Estados Unidos mas esta foi a primeira vez em que concretizou a escala da vontade.


A intenção é integrar um milhão de pequenos negócios norte-americanos na sua plataforma nos próximos cinco anos, vendendo os produtos – com destaque para os agrícolas e têxteis – a clientes chineses.


Tendo em conta que cada negócio criará, pelo menos, um posto de trabalho, fica assim definido o âmbito da promessa.


A plataforma Alibaba conta já com sete mil marcas americanas, gerando um volume de vendas de 15 mil milhões de dólares (cerca de 14 mil milhões de euros) no ano passado, escreve a agência Reuters.


Ao longo dos anos, Jack Ma sempre demonstrou as suas ligações ao Partido Comunista Chinês, que governa o país. Esse tem sido, precisamente, um dos alvos de Donald Trump, acusando Pequim pelas perdas de empregos nos Estados Unidos.


No final do encontro, essas divergências ideológicas ficaram em segundo plano. Trump considerou que o encontro com Ma foi "óptimo". Por sua vez, o gestor chinês considerou que o futuro presidente norte-americano é "inteligente" e "mente aberta".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub