Aviação Chineses da TAP compram aeroporto na Alemanha

Chineses da TAP compram aeroporto na Alemanha

O grupo HNA vai pagar 15 milhões de euros por uma participação maioritário no aeroporto de Frankfurt-Hahn. Neste aeroporto direccionado para as “low cost” a Ryanair é a presença mais forte.
Chineses da TAP compram aeroporto na Alemanha
Wilson Ledo 10 de agosto de 2017 às 15:57

O grupo chinês HNA confirmou esta quinta-feira, 10 de Agosto, a compra de uma participação no aeroporto de Frankfurt-Hahn, na Alemanha. Por 82,5% do negócio, pagou 15 milhões de euros.

Do outro lado do negócio está o estado de Renânia-Palatinado. Os restantes 17,5% continuam nas mãos do estado de Hesse. O aeroporto em causa era um antigo aeroporto militar e começou a ser usado no início da década de 1990 para fins civis. A Ryanair é uma das que voa para lá.


O negócio decorre depois de os reguladores chineses terem apertado o cerco às operações de compra de grandes grupos do país no resto do mundo, como a HNA ou a Fosun, esta última dona da Fidelidade e da Luz Saúde.


Em Julho, recorda o Financial Times, um dos ramos do grupo HNA já tinha comprado uma participação no aeroporto internacional do Rio de Janeiro por cerca de 19 milhões de dólares. É uma pequena fatia dos mais de 40 mil milhões já gastos nos últimos dois anos em compras.


O grupo chinês está presente na TAP através da Azul, companhia de aviação brasileira detida por David Neeleman, accionista do consórcio Atlantic Gateway, que controla 45% a TAP. Através da Azul o HNA subscreveu obrigações convertíveis da transportadora portuguesa.


No catálogo destes investidores conta-se ainda a companhia Beijing Capital Airlines, que iniciou em Julho a primeira ligação directa entre Portugal e a China, bem como o Deutsche Bank.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub