Empresas Chineses da TAP vendem 6 mil milhões em imóveis para pagar dívida

Chineses da TAP vendem 6 mil milhões em imóveis para pagar dívida

O HNA Group quer desfazer-se de imóveis comerciais de cerca de 6 mil milhões de dólares para fazer face à dívida contraída para pagar a onda de aquisições dos últimos dois anos.
Chineses da TAP vendem 6 mil milhões em imóveis para pagar dívida
Reuters
Negócios 19 de dezembro de 2017 às 11:40

O chinês HNA Group, accionista indirecto da TAP, quer vender cerca de 20 imóveis comerciais no valor de 6 mil milhões de dólares (5,09 mil milhões de euros ao câmbio actual), incluindo edifícios em Nova Iorque, Londres e outras grandes cidades mundiais, avança o The Wall Street Journal.

 

O objectivo será gerar liquidez para pagar a dívida que ajudou a financiar as aquisições feitas pelo conglomerado chinês desde 2015, e que totalizam cerca de 40 mil milhões de dólares (34 mil milhões de euros). Isto porque, segundo a mesma publicação, a liquidez do grupo ficou sob pressão nas últimas semanas, com os custos de financiamento a subirem.

 

De acordo com fontes citadas pelo The Wall Street Journal, o grupo quer vender torres de escritórios em Manhattan, Londres e São Francisco, assim como resorts na Polinésia Francesa e edifícios na Austrália.

 

O grupo chinês tem cerca de 14 mil milhões de dólares em imóveis comerciais, segundo a Real Capital Analytics, sendo que os activos considerados para venda constituem uma parte significativa do portefólio.

Com activos totais de mais de 140 mil milhões de dólares, o conglomerado anunciou mais de 80 negócios nos últimos dois anos, incluindo grandes participações no Deutsche Bank e na cadeia de hotéis Hilton. Anteriormente, havia estimado uma dívida de 100 mil milhões de dólares, um quarto da qual vence no próximo ano.

O The Wall Street Journal refere que alguns participantes do mercado acreditam que o grupo pagou demasiado por alguns activos, o que tornará difícil encontrar compradores dispostos a oferecer as quantias pretendidas.

Na semana passada, o grupo chinês anunciou um plano de recompra de obrigações e garantiu numa conference call com investidores, na sexta-feira, que vai honrar os seus compromissos.

A empresa também divulgou um comunicado assegurando ter o apoio de oito grandes bancos chineses e relações "cooperativas" com bancos estrangeiros, incluindo o UBS, o Barclays e o JPMorgan.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Andaram a gastar o papel nos casinos e agora têm de vender apressadamente... estes lindinhos de olhos em bico andaram por cá a comprar em barda e a dar comissões aos Passos e Portas da vida... agora estão nas lonas...

Nonagésimo Há 3 dias

É muito fácil comprar com o dinheiro dos outros

Anónimo Há 3 dias

e so encher. a concepcao de mercado do chines e diferente do ocidental. o mercado chines e regulado pelo estado e 2 ou 3 cabecas. e um tigre bem gordo, quando tiver uma congestao o mundo vai estar lixado