Empresas Chineses negoceiam compra de negócio dos petróleos da Gulbenkian

Chineses negoceiam compra de negócio dos petróleos da Gulbenkian

O grupo CEFC China, que agora está interessado na Partex, comprou em Novembro do ano passado a maioria do capital da seguradora Lusitânia, do Montepio. Neste caso apenas falta a autorização do regulador para efectivar o negócio.
Chineses negoceiam compra de negócio dos petróleos da Gulbenkian
Sofia Costa/Record
Negócios 01 de fevereiro de 2018 às 17:29

A Fundação Calouste Gulbenkian está a negociar a venda da Partex, a participada que agrega os seus negócios no sector petrolífero. Segundo o Expresso os potenciais compradores são a CEFC China Energy, com sede em Xangai.

Esta empresa chinesa é a mesma que comprou  em Novembro do ano passado uma posição maioritária na companhia de seguros Lusitânia, detida pelo Montepio, faltando apenas a autorização do regulador do sector para que o negócio se concretize. A Fundação Gulbenkian diz que o encaixe financeiro obtido com esta venda será reinvestido noutros activos.

"A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a equacionar a alienação dos investimentos nos combustíveis fósseis (que representaram cerca de 18% dos activos em 2017), tendo em conta uma nova matriz energética e os seus objectivos em prol da sustentabilidade, na linha do movimento internacional seguido por outras fundações", explica a instituição num comunicado divulgado esta quinta-feira, 1 de Fevereiro.

No referido comunicado, a fundação liderada por Isabel Mota, relata que "tem recebido, ao longo dos anos, várias manifestações de interesse para a alienação da sua participação na Partex, traduzindo o reconhecimento internacional da qualidade da empresa. Recentemente, recebeu uma oferta de compra e encontra-se neste momento em processo de negociações com o grupo interessado. Findo o processo de análise de todas as condições, será tomada uma decisão de acordo com a defesa dos melhores interesses da Fundação".

A Fundação Calouste Gulbenkian detém 100% do capital da Partex, empresa que é liderada por António Costa Silva.

A Partex foi fundada em 1938, por Calouste Gulbenkian, que até então "tinha sido o grande promotor da criação da Iraq Petroleum Company, uma empresa que reuniu os interesses das empresas que hoje se chamam BP, Shell, Total, Exxon Mobil, e onde ficou com 5%, passando a ser conhecido como o "Mister Five Per Cent".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 03.02.2018

Esta Fundação e uma vergonha! O Sr. Calouste deve estar a dar voltas na campa, tal a javardeira monumental q é esta administração! Será q o próximo passo vai ser também vender a Arte q esta no museu deixada por Sr. Calouste?!

Anónimo 02.02.2018

Nada é eterno, nem a Gulbenkian! Que investimentos vão fazer para garantir o financiamento da fundação em moldes idênticos? Até podem conseguir por uns anos, mas quantos? Pelos mesmos que as receitas da Partex o permitiriam? Será um negocio interessante para os comissionistas? Mais uns génios!

joaoaviador 02.02.2018

Como diria César antes de morrer - "Até tu, meu filho?"

BOA PARTE DOS LUCROS DA EDP VOAM AGORA p/ CHINA 01.02.2018

Por este andar, daqui a pouco, até a alma os chinocas nos compram ...
Q as pessoas nunca se esqueçam de uma verdade do tamanho da Lua : OS CHINOCAS DÃO UM CHOURIÇO A QUEM LHES DER UM PORCO
Nos negócios c/ eles perdemos sempre

É só pôr os olhos nos casos da REN, EDP, FIDELIDADE-SEGUROS ou outros

pub