Telecomunicações Chronopost vai contratar mais 50 pessoas

Chronopost vai contratar mais 50 pessoas

O grupo de transporte expresso de encomendas quer ser líder do mercado em 2020. Este ano, as receitas aumentaram 14,3%.
Chronopost vai contratar mais 50 pessoas
DR
Alexandra Noronha 03 de Outubro de 2016 às 16:42

A empresa de transporte expresso de encomendas, Chronopost, irá contratar cerca de 50 pessoas nos próximos meses, para fazer face aos planos de expansão no mercado português, do qual quer ser líder em 2020.

Em declarações ao Negócios, o presidente da empresa em Portugal, Olivier Establet, salientou que "estão previstos cerca de 50 novos postos de trabalho nos próximos meses".


O mesmo responsável salientou que "as receitas cresceram 9,3% e a nossa actividade global aumentou 14,3%" 6 pontos percentuais acima das previsões que o grupo detinha.  


"Temos vindo a ganhar quota de mercado aos nossos principais concorrentes e estamos adiantados em relação à nossa trajectória, que nos deve levar à liderança do mercado até 2020, por isso as previsões até ao final do ano só podem ser muito optimistas", referiu o mesmo responsável.


O gestor falou ainda da estratégia da sociedade para ultrapassar a concorrência, na qual se destacam os CTT. "A estratégia de e-commerce da Chronopost tem sido fundamental para alavancar os resultados da empresa. A actividade no segmento B2C [business to consumer] cresceu mais de 30%, graças a uma estratégia diferenciadora suportada pela extensa rede de 500 lojas Pickup e pelo Predict, um serviço único no mercado que envia ao destinatário um alerta interactivo do dia e hora de entrega da encomenda", explicou.


Esta rede Pickup, aliás, constituída por diversos pontos em parceria ao longo do país (lavandarias, papelarias), teve "um reforço superior a 10% no número de lojas e já superou mais de 6 milhões de encomendas. O objectivo passa por reforçar o número de lojas da rede, devendo esta chegar às 600 unidades até final de 2016", segundo o mesmo responsável.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub