Telecomunicações Cláudia Goya substitui Paulo Neves como “chairman” da Meo

Cláudia Goya substitui Paulo Neves como “chairman” da Meo

As mudanças na estrutura de gestão da Meo continuam. Cláudia Goya vai ser a nova presidente do Conselho de Administração da empresa, em substituição de Paulo Neves que está de saída da operadora.
Cláudia Goya substitui Paulo Neves como “chairman” da Meo
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Ribeiro 21 de novembro de 2017 às 18:26

A Altice decidiu alterar o "board" da Meo. Cláudia Goya, até aqui CEO da empresa, vai passar a ser presidente da administração da operadora, substituindo Paulo Neves que está de saída da Meo. Já Alexandre Fonseca vai passar a ocupar a cadeira de CEO, deixando o cargo de Chief Technology Officer para Luís Alveirinho. As informações foram avançadas pelo Eco e pelo Dinheiro Vivo, e confirmadas pelo Negócios junto de fontes da operadora.

Paulo Neves abandona assim a empresa depois de em Julho de 2015 ter sido o nome escolhido pela Altice para liderar a empresa, quando o grupo francês finalizou a compra da operadora.

Em Julho deste ano, com a entrada de Cláudia Goya para CEO, o gestor passou a "chairman" da Meo, tendo ainda ficado com o dossiê da compra da Media Capitla, como informou na altura a Altice.  Aliás, segundo o grupo francês, quando a compra da Media Capital ficasse concluída, Paulo Neves iria acumular o cargo com o de presidente da administração da Media Capital.

Agora, Cláudia Goya volta a ocupar o lugar que pertencia a Paulo Neves.


Informações que foram confirmadas entretanto pela Meo. Em comunicado, a empresa refere que "esta nova estrutura representa um retorno à organização inicial que fez crescer e credibilizou o grupo Altice no mundo".

 

"Esta é uma reorganização que pretende ter líderes experientes e conhecedores da história do grupo, privilegiando a proximidade, o conhecimento, a eficiência na ação e a satisfação do cliente", acrescenta.

Estas alterações seguem-se à recente reorganização da estrutura de gestão do grupo francês que passou pelo regresso dos homens de confiança de Drahi aos cargos de topo.

Alexandre Fonseca, actual "chief technology officer" (CTO) da Meo, é um dos nomes da confiança da Altice em Portugal, acompanhando o grupo francês desde 2012, quando a Altice comprou a Cabovisão. Um ano depois, Patrick Drahi reforçou a presença em Portugal com a aquisição da Oni, e nomeia Alexandre Fonseca CEO da operadora. Quando vendeu estas duas operações, por imposição de Bruxelas, o gestor transitou para os quadros da Meo. Nos últimos tempos, tem sido o gestor a dar a cara diversas vezes pela PT nos bons e nos maus momentos, como no  caso das alegadas  falhas do SIRESP.

Depois dos resultados da Altice terem ficado abaixo das estimativas dos analistas, a Altice anunciou que Michel Combes, CEO do grupo, iria ser substituído por Dexter Goei, braço-direito do fundador do grupo francês, que passou a  acumular o cargo com a liderança da Altice USA.

No âmbito desta reorganização, o sócio português Armando Pereira também voltou a ter um papel de destaque na gestão da Altice, passando a ser o director de operações (COO) de telecomunicações , com especial foco em França, mercado onde têm perdido clientes e que tem impactado de forma negativa as contas da empresa.


(Notícia actualizada às 18:52 com mais informações)




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alvaro Há 2 semanas

À força de se utilizarem anglicismos e informações menos exactas acaba-se por se criar uma certa confusão. Vejamos:
1º/ A Sr.ª Cláudia Goya é "chairperson" (termo preferido a chairman/chairwoman para evitar a discriminação sexista) e, por isso, preside o Conselho de Administração,
2º/ O Sr. Alexandre Fonseca sendo CEO (Chief Executive Officer) é, em português, director geral e não é administrador, senão seria MD (Managing Director, em português "administrador delegado"),
3º/ A Altice foi criada em 2001 no Luxemburgo pelos Srs. Patrick Drahi e Armando Pereira. A sede foi transferida mais tarde para a Holanda e a empresa é cotada na bolsa de Amesterdão desde 2014. Logo a Altice não é francesa (não confundir com o início de carreira do Sr. Drahi como investidor em França),
4º/ O Sr. Patrick Drahi nasceu em Marrocos, estudou e começou a sua vida profissional em França e vive na Suíça. Tem nacionalidade franco-luso-israelita (pois é, pouca gente sabe que ele também é português!).

Anónimo Há 2 semanas

Esta Altice tem uma gestão do estilo "vão de escadas"...

pertinaz Há 2 semanas

SÓ PARA NÃO PAGAREM INDEMNIZAÇÃO À SENHORA DESPEDEM O ELO MAIS FRACO...!!!

Anónimo Há 2 semanas

Neste caso será chairwoman...

ver mais comentários
pub