Banca & Finanças Clientes vão poder abrir conta no banco através de canais digitais

Clientes vão poder abrir conta no banco através de canais digitais

A video-conferência será o meio utilizado para comprovar os elementos de identificação dos clientes. Os clientes deixarão de precisar de deslocar-se aos balcões.
Clientes vão poder abrir conta no banco através de canais digitais
Bruno Simão/Negócios
Raquel Godinho 26 de junho de 2017 às 13:00

O Banco de Portugal anunciou, esta segunda-feira, que os clientes bancários vão poder abrir contas através de canais digitais, ou seja online e mobile. Para isso, vão poder aprovar os seus elementos de identificação através de video-conferência.

 

Para que isso seja possível, foi aprovada uma alteração ao aviso n.o 5/2013, relativo aos deveres preventivos do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo, para permitir às instituições com sede ou sucursal em Portugal proceder à abertura de contas exclusivamente através de canais digitais.

 

A alteração refere-se à utilização da video-conferência para permitir a comprovação dos elementos de identificação dos clientes. Esta foi a opção escolhida pelo regulador em linha com as práticas seguidas internacionalmente.

 

Esta alteração deverá ser publicada em Diário da República no início de Julho, entrando em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. Depois disso, os bancos que assim o entenderem poderão fazer os ajustes tecnológicos necessários para lhes permitir dar aos clientes esta facilidade.

 

"Esta iniciativa do Banco de Portugal reflecte a crescente digitalização dos produtos e dos serviços bancários, as novas expectativas e necessidades dos clientes bancários e a importância de assegurar condições de equidade entre as instituições de crédito sediadas em Portugal e as sediadas noutros países da União Europeia", refere o comunicado publicado pelo Banco de Portugal.

 

Esta facilidade já estava disponível em alguns bancos presentes em Portugal, mas não era possível às instituições com sede no nosso país.

 

A conta bancária é o principal meio de relação entre o cliente e o banco e é a partir dela que podem ser acessíveis outro tipo de serviços. Depois deste passo rumo à digitalização da conta bancária, outros serviços bancários poderão no futuro ser alvo de alterações que permitam aos clientes subscrevê-los exclusivamente através de canais digitais.

 

"O Banco de Portugal avalia, em permanência, as soluções tecnologicamente inovadoras que surjam no mercado, podendo, no futuro, vir a ser regulados outros procedimentos de comprovação alternativos que se demonstre conferirem idêntico grau de segurança", acrescenta o Banco de Portugal.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 26.06.2017

E depois disto já vai ser finalmente possível fechar agências redundantes, balcões sem uso ou procura e despedir colaboradores excedentários? É que já vão com 10 anos de atraso. Além disso, a legislação laboral não evolui em Portugal de modo a convergir com a das economias e sociedades muito mais avançadas do mundo. E isso é mau pronúncio para esta tão tardia quanto necessária alteração anunciada e promovida pelo BdP.

comentários mais recentes
Anónimo 27.06.2017

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

J. SILVA 26.06.2017

Este tipo é uma besta ao cubo. Imbecil, incompetente e mafioso do piorio. Em vez de supervisionar e escrutinar tecnicamente os bancos e deixá-los trabalhar, só lhe cria problemas com exigências sem sentido para além do atestado de menoridade aos clientes. Isto é o complexo de culpa do BES e BANIF.

Anónimo 26.06.2017

E depois disto já vai ser finalmente possível fechar agências redundantes, balcões sem uso ou procura e despedir colaboradores excedentários? É que já vão com 10 anos de atraso. Além disso, a legislação laboral não evolui em Portugal de modo a convergir com a das economias e sociedades muito mais avançadas do mundo. E isso é mau pronúncio para esta tão tardia quanto necessária alteração anunciada e promovida pelo BdP.

Anónimo 26.06.2017

ESTE SENHOR SE TIVESSE VERGONHA NA CARA JÁ NEM ABRIA A BOCA!

ver mais comentários
pub