Desporto Clubes do futebol chinês pagam dívidas para evitar colapso da Liga

Clubes do futebol chinês pagam dívidas para evitar colapso da Liga

13 clubes da primeira divisão chinesa foram ameaçados com a expulsão das competições se não pagassem as dívidas a jogadores e outros clubes. Dez deles já estão a responder e a colocar as contas em dia.
Clubes do futebol chinês pagam dívidas para evitar colapso da Liga
reuters
Negócios 26 de julho de 2017 às 20:40
O futebol chinês deu nas vistas nos últimos anos, com aquisições e salários muito elevados a jogadores de clubes europeus. Agora, esses compromissos financeiros foram postos em causa pela Confederação Asiática de Futebol, que ameaçou com a expulsão das competições regionais os clubes com montantes por liquidar.

Na sequência desta comunicação, a própria Federação Chinesa de Futebol escreveu a 13 clubes da Super League, a primeira divisão chinesa, exigindo o pagamento de dívidas a jogadores e a outros clubes. Em causa estavam tranches relativas a transferências, salários e bónus a alguns jogadores. 

Entre os clubes notificados - e que foram ameaçados com sanções que podiam ir até à expulsão da liga chinesa caso não cumprissem - estão o Shanghai SIPG, treinado pelo português André Villas-Boas e que tem como uma das estrelas o brasileiro Hulk (na foto), e o Guangzhou Evergrande, liderado pelo antigo seleccionador português Luis Filipe Scolari. 

O prazo dado para a regularização das dívidas era 1 de Agosto mas os clubes visados apressaram-se a clarificar a situação. Dos 13 clubes da Super League notificados, dez já escreveram à federação chinesa dizendo que já têm tudo em ordem ou explicando o que está por liquidar e porquê. Falta agora a avaliação por parte das autoridades.

O próprio governo chinês tem tentado refrear o investimento chinês em jogadores estrangeiros, limitando o número destes que podem ser utilizados simultaneamente e impondo um imposto especial sobre as aquisições milionárias. Recorde-se que o jogador mais bem pago do mundo, o argentino Carlos Tévez, joga no campeonato chinês, onde recebe perto de 40 milhões de euros por ano.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub