Desporto Clubes portugueses são os terceiros da Europa que pagam mais comissões

Clubes portugueses são os terceiros da Europa que pagam mais comissões

Desde 2013, os clubes portugueses pagaram 135 milhões de euros em comissões, apenas batidos pelos italianos, com 288,5 milhões, em 'ranking' liderado claramente pelos ingleses, com 410 milhões.
Clubes portugueses são os terceiros da Europa que pagam mais comissões
Pedro Ferreira
Lusa 09 de janeiro de 2018 às 17:55

A FIFA divulgou hoje um relatório que aponta para a duplicação, nos últimos cinco anos, do valor das comissões pagas aos intermediários de transferências de futebolistas, sendo que Portugal está num pódio liderado pela Inglaterra.

 

Desde 2013, os clubes portugueses pagaram 135 milhões de euros em comissões, apenas batidos pelos italianos, com 288,5 milhões, em 'ranking' liderado claramente pelos ingleses, com 410 milhões. 

 

No total, os clubes gastaram 1,33 mil milhões de euros em comissões desde Janeiro de 2013, de acordo com dados da FIFA-TMS, a plataforma que regista as transferências internacionais.

 

Em 2017, os clubes de futebol pagaram 374 milhões de euros em comissões a intermediários -- agentes, representantes ou outros -- envolvidos em transferências de jogadores, contra os 183 milhões verificados em 2013.

 

Desde Janeiro de 2013, de cerca de 70 mil transferências internacionais registadas, cerca de 20% foram consumadas por pelo menos um intermediário, de acordo com os números oficiais.

 

Durante o último período de transferências, no verão de 2017, destacou-se o empresário israelita Pini Zahavi, envolvido no registo de transferência do brasileiro Neymar que trocou o FC Barcelona pelo Paris Saint-Germain a troco de 222 milhões de euros.

 

De acordo com o jornal francês L'Equipe, o agente de 74 anos teria embolsado 12 milhões de euros na operação, montante que não foi confirmado pelo clube nem futebolista.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Camponio da beira 09.01.2018

E não serão os que mais calotes pregam ao fisco e seg. social?

pub