Banca & Finanças CMVM já está a analisar registo da OPA ao BPI

CMVM já está a analisar registo da OPA ao BPI

A OPA do CaixaBank sobre o BPI entrou na fase final. A CMVM já iniciou a análise formal ao pedido de registo da oferta. O supervisor tem de decidir se o preço oferecido é ou não equitativo. Os minoritários defendem que não.
CMVM já está a analisar registo da OPA ao BPI
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 14 de dezembro de 2016 às 16:53

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) já deu início à análise do pedido de registo da oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, a última fase antes do lançamento da operação. Um processo que a instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias está a tentar concluir com brevidade.

 

"Formalmente, já estamos a proceder à análise do pedido de registo", confirmou fonte oficial da entidade de supervisão ao Negócios.

 

A CMVM iniciou a avaliação do registo da OPA depois de o Banco Nacional de Angola (BNA) ter autorizado o CaixaBank a ocupar o lugar do BPI como accionista qualificado do Banco de Fomento Angola (BFA) e de a assembleia-geral da instituição liderada por Fernando Ulrich ter aprovado a venda do controlo do BFA à Unitel. Estes eram os dois últimos requisitos indispensáveis ao registo da oferta.

 

Segundo anunciou o BPI na segunda-feira, 12 de Dezembro, à noite, o BNA autorizou a alteração de estatutos do BFA que retira a influência de gestão ao banco português, a venda de 2% da entidade angolana à Unitel e a OPA do CaixaBank. No entanto, quer que estas três iniciativas ocorram "de forma simultânea ou quase simultânea". Caso não seja possível assegurar está simultaneidade, o supervisor bancário angolano impõe que a venda do controlo do BFA à Unitel aconteça antes da conclusão da OPA do CaixaBank.

 

Reunidas todas as autorizações indispensáveis ao registo da oferta, a CMVM dispõe agora de um prazo de oito dias para aprovar a operação e o prospecto. No entanto, a contagem deste prazo é interrompida sempre que haja necessidade de pedir informação adicional ao CaixaBank.

 

Preço é tema sensível

 

Um dos temas sensíveis da análise que a CMVM tem em curso diz respeito ao preço da OPA. A partir do momento em que a oferta voluntária anunciada a 18 de Abril, passou a obrigatória com o fim do limite de votos no BPI, os catalães alteraram a contrapartida. Inicialmente ofereciam 1,113 euros por acção e, na OPA obrigatória o preço subiu para 1,134 euros por título.

 

O valor em cima da mesa corresponde à média ponderada da cotação do BPI nos seis meses anteriores à data em que a OPA assumiu o estatuto de obrigatória, regra geral para a fixação do preço deste tipo de ofertas. No entanto, os pequenos accionistas reclamam a nomeação de um auditor independente por considerarem que a contrapartida não trata de forma equilibrada todos os accionistas do banco.

 

Estas críticas têm sido protagonizadas pela Violas Ferreira Finance, que com 2,681% é o maior accionista português do BPI, e pela ATM, associação que representa pequenos investidores. Os minoritários consideram que o preço da OPA não é equitativo porque não reflecte a venda do controlo do BFA à Unitel, empresa cuja gestão é controlada por Isabel dos Santos, segunda maior accionista do BPI.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.12.2016


Ladrões FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

UM EXEMPLO DE INJUSTIÇA QUE É URGENTE CORRIGIR

Um técnico superior reformado em 2005 pela Caixa Geral de Aposentações (CGA) levou uma pensão de 2.026 euros consigo. Se se tivesse aposentado na mesma altura, com o mesmo salário, pelas regras da Segurança Social, teria levado para casa 1.512 euros.

Ora bem 500€ x 10 anos x 12 meses = 60.000€ a mais, que esse gajo já embolsou desde 2005, à custa de quem trabalha.
Rica mama.
Deve ser obrigado a devolver tudo.

Enganei-me nas contas, são 14 meses por ano, ainda lhe estava a perdoar 10.000€ (sortudo).
Afinal tem que devolver 70.000€.

Receber 70.000€ a mais, em 10 anos?
Isso dá para comprar um carro de 30.000€, de 4 em 4 anos.

ESTE É MESMO O PAÍS DAS MARAVILHAS... PARA ALGUNS.

comentários mais recentes
Anónimo 14.12.2016

Se o CaixaBank tirar o BPI da bolsa, todos os pequenos acionistas que quiserem sair devem ser justamente indemnizados. Não podem ficar roubados. É isso que a CMVM tem de defender. Força ATM, Força pequenos acionistas! A bolsa vai vibrar!

Anónimo 14.12.2016

O CaixaBank não precisa de expulsar todos os pequenos acionistas. Só precisa de controlar mais de 50% das ações. Logo quem se achar prejudicado com o preço oferecido não deve ser obrigado a vender. O BPI deve ser mantido em bolsa!

Anónimo 14.12.2016

Os custos de cada ação estão todos registados nos depositários. Não há nada que enganar. A forma de cálculo da CMVM é ridicula. Ninguém deve ficar roubado. Quem pagou mais tem direito a receber mais. E ou o CaixaBank paga preço que não dê prejuizo, ou não tem direito as ações que são dos outros. AT

Anónimo 14.12.2016

A CMVM não tem o direito de prejudicar quem pagou mais por ação do que o CaixaBank oferece. Se não pagar o custo, corretagem e percentual do lucro que deixe ficar. A CMVM não pode autorizar o roubo de quem pagou mais. O direito a ter ações não pode ser negado a ninguém. O roubo não se autoriza. ATM

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub