Media Com o Facebook "à defesa", os media "podem contra-atacar"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Com o Facebook "à defesa", os media "podem contra-atacar"

A polémica sobre a propagação de notícias falsas nas redes sociais pode ser uma oportunidade para os media voltarem a ganhar relevo, segundo especialistas do sector. E consideram que o plano apresentado pelo Facebook é "uma operação de marketing".
Com o Facebook "à defesa", os media "podem contra-atacar"
Mariana Bazo/Reuters
Sara Ribeiro 21 de novembro de 2016 às 20:56

A recente polémica sobre a eventual influência da proliferação de notícias falsas no Facebook na vitória de Donald Trump pode dar maior relevância aos títulos de informação, segundo alguns )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
corre 21.11.2016

O que é espantoso é como os média se deixaram comer desta forma absurda. Deixaram que o Fecebook e outras redes sociais concorressem em enorme vantagem, sem terem de respeitar as mesmas regras suportadas na ética e na deontologia. E mais, deixaram que competissem sem que a essas redes fosse exigido que pagassem impostos no País onde os realizaram. Os Governos tiveram uma enorme quota de responsabilidade. Agora é tarde.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub