Transportes Com os prejuízos a aumentar, Maersk corta dividendos

Com os prejuízos a aumentar, Maersk corta dividendos

O armador dinamarquês registou elevadas imparidades e prejuízos avultados no último trimestre do ano, mas está optimista quanto ao futuro.
Com os prejuízos a aumentar, Maersk corta dividendos
Reuters
Negócios 08 de fevereiro de 2017 às 10:10

A Maersk, um dos maiores armadores do mundo, cortou os dividendos para 20 euros por acção, metade do ano passado, depois de registar prejuízos avultados, segundo o Wall Street Journal desta quarta-feira, 8 de Fevereiro.


O grupo foi afectado por elevadas imparidades, com um ambiente pouco favorável ao sector, incluindo o esmagamento de preços e a descida do petróleo, que prejudicou a unidade de petroleiros da empresa.


No trimestre terminado 31 de Dezembro de 2016, o grupo registou prejuízos de 2,5 mil milhões de euros (2,68 mil milhões de dólares), que compara com 2,3 mil milhões de euros (2,5 mil milhões de dólares) no ano anterior. As imparidades atingiram os 1,4 mil milhões de euros (1,5 mil milhões de dólares) na unidade de Drilling e mil milhões de euros na Maersk Supply Service. Nos activos da área do petróleo as imparidades foram de 2,3 mil milhões de euros (2,5 mil milhões de dólares).

No ano completo de 2016 a empresa registou lucros de 711 milhões de dólares (667,8 milhões de euros), contra 2.884 milhões de euros um ano antes.


A companhia adiantou ainda que o chairman da empresa, Michael Pram Rasmussen, irá sair a 28 de Março e propôs Jim Hagemann Snabe para o substituir.


No ano passado, a Maersk anunciou que ia dividir-se em duas divisões para transporte e energia.


Apesar da má performance, o grupo acredita que 2017 será melhor, com os preços do serviço a subirem e a procura por contentores a ter boas perspectivas. O grupo também concretizou a aquisição da alemã Hamburg Süd.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub