Media Combes diz que não está em Portugal para fazer política

Combes diz que não está em Portugal para fazer política

Michel Combes escusou-se a fazer comentários às declarações de António Costa.
Combes diz que não está em Portugal para fazer política
Miguel Baltazar
Alexandra Machado 14 de julho de 2017 às 11:46

Questionado sobre a possibilidade de haver uma oposição política, Michel Combes afirmou: "não estamos aqui para fazer política. Apresentamos um projecto forte industrial para o país". 

 

O CEO afirmou que "estamos orgulhosos e é o que queremos desenvolver em Portugal", voltando a lembrar que a rede que está a ser construída em Portugal é única.

 

Já tinha referido que não ia comentar as declarações do primeiro-ministro, mas referiu que no incêndio de Pedrógão Grande a PT trabalhou para resolver as situações, dizendo que esteve sempre em contacto para perceber o que se estava a passar. 

 

A PT fez "tudo para [a operação] funcionar, nem sempre é fácil", mas "estou orgulhoso do que foi feito na companhia, pelos trabalhadores e empresa". 

O primeiro-ministro endureceu o discurso contra a Altice na última quarta-feira, 12 de Julho, salientando no debate do Estado da Nação "a forma irresponsável" como foi feita aquela venda [da PT, durante o anterior Executivo] "acabe por transformar este caso num caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa".

O primeiro-ministro afirmou mesmo que "por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo".




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.07.2017

O excedentarismo sindicalizado de carreira é uma maravilha, mas não é seguramente uma maravilha para quem é obrigado a pagá-lo. Seja o extorquido um investidor, um consumidor, um contribuinte ou um ofertante de factor trabalho com real procura de mercado que vê os seus legítimos rendimentos e património a serem-lhe subtraídos de forma escabrosa para pagar o "maravilhoso" flagelo que gerou todas as crises.

comentários mais recentes
Anónimo 16.07.2017

Ninguém está à espera que os excedentários se demitam. Terá sempre que ser alguém a activar esse processo. Portugal precisa desse alguém. As economias e sociedades mais avançadas já o têm há muito.

Anónimo 15.07.2017

O essencial de uma entrevista com Schäuble em Maio de 2017 é isto: "Alemanha e a França estavam praticamente ao mesmo nível em termos de performance económica em 2003, antes de o antigo chanceler Gerard Schroeder ter implementado uma reforma na área laboral." Macron tem como base do seu programa eleitoral a seguinte declaração: "Ingressaremos gradualmente numa época em que ter um emprego vitalício baseado em tarefas que não são justificadas será cada vez menos sustentável - na verdade já estamos lá." O Eixo Franco-Alemão vai finalmente renascer das cinzas à imagem do melhor que a governação europeia sob a égide de Mitterrand–Kohl nos revelou no passado. A geringonça anda a laborar em rotundos erros. Costa, estás out. Centeno, andas a atirar completamente ao lado. Marcelo, ensandeceste de vez.

Anónimo 15.07.2017

O tal de Combes devia explicar porque é que aceitou limpar os fundos que tinham sido dados à Ongoing para gerir como escreveu o Negócios.

saraiva14 14.07.2017

Por que é que o Costa não quer que a Altice compre a TVI !? O que é que o Costa (digamos, esquerdalhada) tem que se meter na gestão de empresas privadas!?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub