Empresas Como o país reagiu à morte de Belmiro

Como o país reagiu à morte de Belmiro

Governantes, partidos da esquerda à direita, responsáveis do mundo empresarial, dirigentes associativos e do mundo do desporto recordaram esta quarta-feira o papel de Belmiro de Azevedo na história recente do país.
Miguel Baltazar - Fotografia ,Paulo Duarte - fotografia,Pedro Elias - Fotografia e Pedro Aperta - Fotografia
Negócios com Lusa 29 de novembro de 2017 às 19:41
Marcelo Rebelo de Sousa: "Figura marcante" com "visão de futuro"
O Presidente da República prestou homenagem a Belmiro de Azevedo, elogiando as suas capacidades de "liderança, determinação, visão de futuro e empenhamento social e cultural".  Num curto comunicado divulgado no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa considera-o uma "figura marcante" do meio empresarial e da sociedade portuguesa e apresenta à sua família "sentidas condolências". "No momento em que nos deixa, quero homenagear o Eng.º Belmiro de Azevedo, figura marcante do nosso meio empresarial e da sociedade portuguesa, em termos de liderança, determinação, visão de futuro e empenhamento social e cultural ao longo de mais de 40 anos", afirma o chefe de Estado, na nota divulgada.

Ministro da Economia evoca empresário "muito inovador"
O ministro da Economia aludiu à morte do empresário Belmiro de Azevedo como "uma grande perda para Portugal", sublinhando que o ex-líder do grupo Sonae foi "muito inovador" em termos de gestão. Caldeira Cabral referiu que o grupo Sonae "afirmou Portugal no estrangeiro" e que aquele empresário foi "muito inovador em termos de gestão". "Acho que a sociedade portuguesa tem muitos aspectos de gratidão para com ele", acrescentou.

Ministro da Cultura elogia ligação entre negócios e Artes
Luís Filipe Castro Mendes lamentou hoje a morte do empresário Belmiro de Azevedo, que elogiou enquanto alguém que soube relacionar os negócios e as Artes. Numa nota de pesar, lembrou o antigo dirigente da Sonae como uma pessoa "com uma notável capacidade de trabalho, [que] soube compatibilizar a sua dedicação aos negócios com o interesse pelas áreas da Cultura, da Educação, das Artes e da Solidariedade, que expressou através da constituição da Fundação com o seu nome, em 1991".

António Mota: "Uma perda para Portugal"

O presidente da Mota-Engil disse que Belmiro de Azevedo era "um homem de uma incapacidade invulgar" e considerou a sua morte "uma perda enorme para Portugal". E recordou-o como "um homem de uma capacidade invulgar", a quem "ninguém conseguia ficar indiferente".

António Saraiva: "Um grande amigo, empresário e criador de riqueza"
"Recordo o engenheiro Belmiro de Azevedo pela sua frontalidade e pela sua assertividade. Ao mesmo tempo que era uma pessoa afável, não deixava de ser directo, frontal, porque não estava refém deste ou daquele poder. Tinha o condão de chamar as coisas pelos nomes e de por o dedo na ferida mas, sobretudo, recordo-o como um grande amigo, empresário e como um criador de riqueza", destacou o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

Associação Empresarial de Portugal: "Um dos maiores empresários"
A Associação Empresarial de Portugal (AEP) recordou Belmiro de Azevedo como "um dos maiores empresários portugueses das últimas décadas" e manifestou pesar pela sua morte. Em comunicado, a AEP lembra o ex-presidente do conselho de administração da Sonae como uma "figura de grande relevância e um dos maiores empresários portugueses das últimas décadas". Além disso, "destacou-se pelo seu papel de gestor, nos negócios, na cultura e na identidade e valores que deixa para sempre ao mundo empresarial", ao construir um "império multifacetado".

Daniel Bessa: "Perdemos o maior empresário pós-25 de Abril"
O ex-ministro da Economia considerou que, com a morte de Belmiro de Azevedo, Portugal perdeu "o maior empresário português do pós-25 de Abril" e apontou o "legado único" que a Sonae representa.  "Os empresários têm auto-estima e respeito por si próprios, mas são justos e sabem reconhecer o mérito e os resultados e dificilmente algum empresário português discordará que perdemos o que foi o maior empresário português no pós-25 de Abril", afirmou.

CMVM: um empresário que "acreditou na bolsa"
A presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários lamentou esta quarta-feira a morte do líder histórico do grupo Sonae, recordando a sua aposta no mercado de capitais e a "visão e estratégia" que levaram Belmiro de Azevedo a cotar sete das suas empresas, há 30 anos. "Hoje o país perdeu um dos seus grandes impulsionadores, Belmiro de Azevedo - o "Senhor Sonae", empresário que em 1987 acreditou na bolsa, realizando aí 7 ofertas públicas de venda simultâneas, relançando um mercado, nessa altura quase incipiente. Teve visão e estratégia," considerou Gabriela Figueiredo, em declarações enviadas à comunicação social.

PSD: um dos "mais marcantes" empresários portugueses
Os sociais-democratas recordam Belmiro como "uma das mais marcantes figuras empresariais do período democrático", considerando que a sua morte constitui "uma trágica perda para a sociedade portuguesa". E defendem que a "genialidade empresarial e empreendedora" de Belmiro de Azevedo levou à edificação de um grupo económico com forte expressão internacional, que actua nos mais diversos sectores de actividade.

CDS-PP: "Empreendedor ímpar"
O CDS-PP lamentou a morte do empresário Belmiro de Azevedo que o deputado Mota Soares recordou como "um empresário e um empreendedor ímpar em Portugal" e apresentou condolências à família. "Foi um empresário e empreendedor ímpar em Portugal", disse Luís Pedro Mota Soares. Para o deputado centrista, o fundador da Sonae "demonstrou sempre uma fortíssima aposta na internacionalização da economia, na inovação, na qualificação dos seus quadros".

Santana Lopes: "Um exemplo" 
O candidato à liderança do PSD agradeceu a Belmiro pelo que fez por Portugal: "Quero manifestar o meu pesar pela morte de uma pessoa que tanto deu a Portugal, tanto contribuiu para a economia portuguesa, para o emprego de muitos portugueses e que tinha uma visão que ultrapassou em muito as nossas fronteiras", afirmou Santana Lopes, que apontou o empresário como "um exemplo" do que quer fazer no país, defendendo que "os portugueses têm de se habituar cada vez mais a respeitar os grandes empresários, os grandes empreendedores".

Rui Rio: "Um verdadeiro empresário" que criou milhares de empregos
O candidato à liderança do PSD recordou Belmiro de Azevedo como "um verdadeiro empresário", que criou milhares de empregos, considerando que se existissem mais homens com o seu perfil a "economia portuguesa seria muito diferente".
"Nós, às vezes, confundimos gestores com empresários. O engenheiro Belmiro de Azevedo era gestor, mas era acima de tudo um empresário. Criou empregos, fez crescer a economia e quando digo criou empregos, criou milhares de empregos", elogiou.

Conselho Metropolitano do Porto: "perda para o país mas sobretudo para a região"
O presidente do Conselho Metropolitano do Porto (CmP), Eduardo Vítor Rodrigues, manifestou o seu pesar, falando de uma "perda para o país, mas sobretudo para a região". "O engenheiro Belmiro de Azevedo antes de representar um símbolo para o país, representa um símbolo para a região Norte do país, de onde nunca saiu", disse Eduardo Vítor Rodrigues, comentando que o empresário manifestava "orgulho em dizer" que era do Norte. O presidente do CmP recordou que Belmiro de Azevedo estabeleceu a empresa Sonae na Maia e que "tinha uma relação forte com o Porto".

FC Porto lembra antigo atleta, dirigente e sócio há 55 anos
"O FC Porto envia condolências à família e amigos de Belmiro Mendes de Azevedo, ex-dirigente e atleta do clube, que faleceu esta quarta-feira, no Hospital da CUF, no Porto, aos 79 anos", refere o clube na sua página oficial. O clube lembrou que o antigo 'chairman' do grupo Sonae "era o sócio 1.714" dos 'dragões', há 55 anos, que já lhe tinha valido a distinção com a roseta de ouro, além de ter sido andebolista do FC Porto e dirigente da secção de natação.

Fernando Gomes: Perda de um "exemplo" para o país
O presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, manifestou hoje o seu "grande pesar" pelo falecimento do empresário Belmiro de Azevedo, lamentando a perda de um "exemplo" para o país. "É na verdade a perda de um Homem inigualável, um lutador, com um percurso de vida fantástico, nobre e de grande exemplo para todos nós, com vastos conhecimentos e experiências que enriqueciam quem com ele tinha o privilégio de conviver", disse o dirigente, citado no site da FPF.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BELMIRO Ñ DEIXA SAUDADES ENTRE OS S/ TRABALHADORES Há 1 semana

Por favor, não se confunda "PAÍS" com os do costume, que lá estarão, no velório e no enterro, a fim de aparecerem na foto.

Quanto ao que a mistificação da notícia chama de "PAÍS", perguntem, anonimamente - por uma questão de cautela ... -, a qq funcionário das lojas CONTINENTE, se choram por ele

Anónimo Há 1 semana

Rado : o que ele tinha contra os comunas?

Carlos Há 1 semana

Morreu apenas um homem. Sentimentos à família e aos amigos, naturalmente. A biologia não sabe nada de capitais e quem manda é ela. Adiante, que amanhã também é dia.

Rado Há 1 semana

E o que têm contra ele os comunas?

Saber mais e Alertas
pub