Banca & Finanças Como os emigrantes clientes do Novo Banco podem recuperar 75% das poupanças

Como os emigrantes clientes do Novo Banco podem recuperar 75% das poupanças

Ainda há 1.440 emigrantes clientes do Novo Banco com aplicações de cerca de 60 milhões bloqueadas em veículos criados pelo BES. Perceba como é que estes investidores vão poder recuperar 75% do valor investido, depois de o acordo fechado entre o banco e a AMELP.
Como os emigrantes clientes do Novo Banco podem recuperar 75% das poupanças
Miguel Baltazar
Maria João Gago 09 de agosto de 2017 às 19:19

A AMELP, associação que representa os 1.440 emigrantes clientes do Novo Banco com poupanças bloqueadas em veículos criados pelo BES, e a instituição liderada por António Ramalho chegaram a um acordo que permite a estes investidores recuperar até 75% do capital investido.

 

No total, estão em causa 60 milhões de euros aplicados nos veículos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7. O entendimento agora alcançado permite recuperar até 75% daquele montante, desde que os clientes aceitem manter dois depósitos a prazo no Novo Banco.

 

Os primeiros depósitos serão constituídos com o valor que a instituição vai pagar pelas obrigações do Novo Banco em que os veículos têm as poupanças dos clientes aplicadas. Em causa estará um montante equivalente a 60% do montante investido.

 

Um dos depósitos terá o prazo de cinco anos, sendo remunerado com uma taxa de juro de 1% ao ano. Já o segundo terá um prazo de dois anos e paga uma taxa de 0,5%.

 

Além disso, o Novo Banco compromete-se a fazer, durante três anos, entregas anuais nestes depósitos de valores equivalentes a 5% do capital investido, perfazendo um total de 75%.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub