Turismo & Lazer Como ser convidado para o maior iate do mundo

Como ser convidado para o maior iate do mundo

Entrar no maior iate do mundo não é uma tarefa fácil, mas pode ser possível, através de uma boa rede de contactos. O Quintessentially One custará 304 milhões de dólares (283 milhões de euros) e terá 220 metros de comprimento.
Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg
Negócios 17 de março de 2017 às 17:46

Com 45 mil toneladas e 220 metros de comprimento, o Quintessentially One, de 304 milhões de dólares (283 milhões de euros), terá mais 40 metros do que o maior iate a navegar actualmente pelos mares - o Azzam, de mil milhões de dólares (cerca de 931 milhões de euros). Quintessentially One conta com 5 mil funcionários, uma piscina de dois níveis (a "James Bond-y"), uma extensão do restaurante Wolseley de Londres, um heliporto, um teatro e um clube de praia com vários mordomos espalhados para servir champanhe aos convidados.

O iate apresenta uma estrutura semelhante ao dos navios da companhia francesa Ponant, que tendem a ter entre 110 e 135 camarotes. Apesar de ser um iate, este conseguirá receber quase tantas pessoas como o navio mais pequeno de um cruzeiro tradicional (como o norueguês), suportando cerca de 2.000 convidados. 

A diferença está no facto de Quintessentially One ser destinado exclusivamente a pessoas importantes e influentes. "O iate é apenas um cenário impressionante, para combinar com as pessoas igualmente fantásticas que viajarão nele", refere o criador do Quintessentially One, Aaron Simpson, em entrevista à Bloomberg. "Este é o navio que funde, fora dos eventos sociais, as pessoas VIP que se querem divertir e conviver num outro registo", conta.

"Nós queríamos criar um barco onde as pessoas quisessem entrar, não um barco onde queiram sair assim que ele atracar no cais", refere o empresário londrino. Aaron Simpson vê o seu navio como um fim em si mesmo: "ele é o próprio destino", explica.

Segundo a Bloomberg, o Quintessentially One terá entre oito a doze apartamentos, aos quais pode ter acesso durante todo o ano, sendo que os planos para a estrutura residencial do navio ainda estão a ser finalizados. Os apartamentos do iate estão previstos para ser vendidos por 14,6 milhões de dólares (13,6 milhões de euros). Não obstante, existirão ainda cabines adicionais para 400 funcionários e para cerca de 280 convidados. Os trabalhadores e os convidados temporários estão sujeitos aos mesmos padrões de admissão – tendo de pagar três milhões de dólares (2,795 milhões de euros).


Se chegar a ter o privilégio de entrar neste navio, conte gastar cerca de 18 mil dólares (16 mil euros). Esta taxa anual consegue comprar duas noites no iate, num evento à sua escolha. No entanto, caso queira comprar noites adicionais o preço rondará os 2.000 dólares (1,863 mil euros). O objectivo é que os convidados "embarquem por três dias, não por três semanas, de modo a assistir a eventos que estejam a decorrer em determinadas cidades, ao invés de velejar entre vários destinos", refere o empresário.

O convite para o Quintessentially One acontecerá apenas no seio do seu clube, isto é, o objectivo passa por tornar o iate no "maior clube privado e flutuante do mundo", segundo afirma Simpson.

Não é um membro Quintessentially? Não há problema, tem três opções: pode inscrever-se para se juntar à equipa antes do comité estar formado e distribuir tarefas, no terceiro trimestre deste ano; ou, se a sua cidade está lotada, aproveite e alugue ou compre um quarto ou apartamento no Quintessentially One, isso dar-lhe-á uma espécie de entrada pela "porta dos fundos" e conseguirá aderir a este iate e aos seus serviços. Como última opção, faça amizade com aqueles que já são membros da Quintessentially, isso facilitará a sua entrada de certeza.

Apesar do número de membros do Grupo Quintessentially ser preenchido maioritariamente por banqueiros de Nova Iorque e Londres, Simpson refere que quer envolver-se com "os seus clientes premium, mas também com as pessoas que fazem o mundo excitante. Queremos empresários bem-sucedidos, mas também ambicionamos conseguir artistas e pessoas inovadoras. Queremos uma representação igual de diferentes indústrias e origens. Este conceito deve ser o mais multinacional possível."

O Quintessentially One está programado para ser concluído a tempo do Euro 2020, um dos muitos eventos globais que irão pertencer ao circuito de navegação do navio e que irão diferenciá-lo das tradicionais viagens de cruzeiro. Outros dos eventos onde está previsto o Quintessentially atracar são: Art Basel Miami Beach, Nova Iorque Fashion Week, Festival de Cannes e Carnaval no Rio.


"Queremos estar presentes nos lugares do momento", afirma o inventor. Simpson, que já prevê a criação do Quintessentially Two e Tree, diz que o seu iate navegará "para onde estará a festa e para onde as pessoas se querem misturar".

Mas porque é que Aaron Simpson está a construir o maior iate do mundo?

O empreendedor afirma que "10% do preço de compra de um iate serve para manter o barco apenas por um ano". "Se gastar 25 milhões de libras (28 milhões de euros) num iate, isso vai custar mais 2,5 milhões de libras (2,8 milhões de euros) para mantê-lo e usá-lo, provavelmente, apenas três semanas por ano", explica.

No entanto, Simpson teve esta ideia, em 2007, porque pensou "que seria muito mais fácil para as pessoas possuirem um apartamento num mega-iate do que o próprio mega-iate", conta à Bloomberg.

O Grupo Quintessentialy percebeu a "mais-valia" desta ideia e quis, desde logo, associar-se a Aaron Simpson. Assim, o iate pertence ao Grupo Quintessentially, uma empresa construída para facilitar a vida das pessoas influentes de todo o mundo. A sua equipa, que oferece suporte 24 horas a todos os seus membros, presentes em 60 cidades do mundo, é conhecida por atender pedidos que variam entre a dificuldade de obter uma reserva para um restaurante de luxo e conseguir que a Madonna seja a atracção principal da festa de aniversário e actue para os seus convidados. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.03.2017

Artigo muito mal escrito e confuso...

pub