Imobiliário Comprar casa no Chiado pode custar mais de 10.000 euros por metro quadrado

Comprar casa no Chiado pode custar mais de 10.000 euros por metro quadrado

A procura estrangeira está a ditar a subida dos preços numa das zonas mais nobres de Lisboa. A falta de oferta para as famílias portuguesas em Lisboa é um dos aspectos que preocupam o sector.
Comprar casa no Chiado pode custar mais de 10.000 euros por metro quadrado
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 31 de janeiro de 2018 às 14:53

Comprar casa no Chiado está cada vez mais caro. Em 2018, o preço do metro quadrado nesta área de Lisboa pode ultrapassar os 10 mil euros.

"Pode chegar aos 10 mil euros ou mais", reconhece Patrícia Barão, responsável da área residencial da JLL. E tudo fica a depender dos projectos: se têm vista privilegiada ou pé direito maior, por exemplo.


No ano passado, o valor do metro quadrado para produtos considerados superiores no Chiado variou entre os 6.500 e os 9.000 euros. Apesar de ainda serem uma minoria, os compradores portugueses estão a aumentar, tendo em conta uma maior liquidez e a visão do imobiliário como "refúgio", explica.


Apesar de reconhecer a subida generalizado dos preços das casas em Lisboa, Patrícia Barão assegura que "o tema da bolha [imobiliária] não se coloca". Para os próximos meses está prevista a entrada de "projectos com alguma escala", sobretudo na zona do Marquês de Pombal.


Contudo, continua a existir falta de oferta para os bolsos médios das famílias portugueses. "Há muitas oportunidades para atrair investimento para usos não tão ‘prime’ [superior]", diz Fernando Vasco Costa, responsável pela área de desenvolvimento da JLL.


No ano passado, de Janeiro a Novembro, foram licenciados 2.271 novos edifícios na área metropolitana de Lisboa. Dentro da cidade, essa expansão faz-se para áreas como o Beato, Alcântara ou Ajuda.


Para o director-geral da JLL, Pedro Lancastre, para que existam habitações a preços mais acessíveis em Lisboa, seja para comprar ou arrendar, o Estado (e a própria autarquia) não se podem afastar do processo, criando incentivos e definindo regras para os promotores imobiliários.


Daí que, sugira, possa ser lançado um programa em que os investidores possam "comprar agora, pagar depois", como já existe para a reabilitação.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

PEANURS...!

Só? Há 2 semanas

Metam logo a 1 milhão por metro quadrado. Não dou 2 anos para o mercado imobiliário explodir BUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM

Anónimo Há 2 semanas

morar ai deve ser penoso...nem dado queria..

Anónimo Há 2 semanas

A classe média está a ser afastada de Lisboa pela incapacidade de pagar aumentos de rendas de 300% ditadas pela Dra Cristas e pelo facto de os preços dos imóveis estarem a ser especulados como investimento livre de impostos... A Associação de Proprietários anda caladinha...

ver mais comentários
pub