Tecnologias Concorrência analisa compra da IMS à Novabase pela Vinci

Concorrência analisa compra da IMS à Novabase pela Vinci

A Autoridade da Concorrência (AdC) já foi notificada do negócio e publicou um anúncio na imprensa desta quinta-feira, 24 de Novembro, a dar conta da concentração.
Concorrência analisa compra da IMS à Novabase pela Vinci
Bruno Simão/Negócios
Alexandra Noronha 24 de Novembro de 2016 às 09:37

A AdC já está a tratar do processo de aquisição pela Vinci Energies Portugal da IMS, um negócio que pertencia à Novabase. A Concorrência publicou um anúncio esta quarta-feira a dar conta de que tinha sido notificada do processo, um passo essencial para que a operação seja concretizada.


"A operação de concentração em causa consiste na aquisição do controlo exclusivo, pela Vinci Energies Portugal do negócio de Infrastructures and Managed Services (IMS) da Novabase", refere o comunicado.


A AdC dá um prazo de 10 dias para serem submetidas as observações relevantes para este caso.


O negócio foi a anunciado a 13 de Outubro, em comunicado à CMVM.

Nessa altura, a Novabase adiantou que "o preço acordado é de 38,365 milhões de euros, a ser pago na data de concretização da transacção, estando sujeito a ajustamentos, nos termos do contrato. O negócio IMS, que emprega actualmente perto de 400 colaboradores, resultou da aquisição, em 2003, da actividade em Portugal da General Electric IT Capital Solutions. Desde a sua integração na Novabase, o seu volume de negócios cresceu de 33 milhões de euros para 104 milhões de euros em 2015, graças à contínua inovação das suas ofertas e competências tecnológicas", realçou a sociedade, liderada por Luís Paulo Salvado (na foto). 

O grupo Vinci é mais conhecido em Portugal por ter vencido a privatização da ANA, gestora dos aeroportos nacionais. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub