Empresas Conheça a dona da 21.ª maior fortuna que vai investir 52,5 milhões no “pagode chinês”

Conheça a dona da 21.ª maior fortuna que vai investir 52,5 milhões no “pagode chinês”

O discretíssimo clã Gonçalves, dono do grupo TMG e de uma fortuna avaliada em 246 milhões de euros, está de regresso à sua sede histórica, conhecida por “pagode chinês”, em Famalicão, para um investimento industrial de 52,5 milhões de euros.
Conheça a dona da 21.ª maior fortuna que vai investir 52,5 milhões no “pagode chinês”
Rui Neves 08 de Outubro de 2016 às 15:00

A sede do grupo TMG converteu-se num ex-líbris de Famalicão, sendo conhecida por "pagode chinês" devido à sua arquitectura.

Fundada em 1937 por Manuel Gonçalves, sob a designação de Fábrica de Fiação Tecidos do Vale de Manuel Gonçalves, transformou-se, em 1965, na Têxtil Manuel Gonçalves (TMG).

Foi na década de 60 que o grupo adquiriu empresas rivais e, deixando de se dedicar apenas à indústria têxtil, entrou em mercados de maior valor acrescentado como os tecidos para estofos da indústria automóvel.

Hoje, a jóia da coroa do grupo chama-se TMG Automotive. É um dos maiores fabricantes europeus de tecidos plastificados e outros revestimentos para a indústria automóvel, exportando quase 100% da sua produção.

Instalada em Guimarães e com uma facturação próxima dos 100 milhões de euros, a TMG Automotive é gerida por Isabel Furtado, neta do fundador.

No têxtil tradicional, a TMG fez em 2013 uma parceria a Somelos, tendo encerrado duas unidades de produção nas instalações de Vale de S. Cosme, em Famalicão, e transferido a maquinaria e o pessoal para aquela empresa vimaranense.

Agora anunciou o regresso às suas históricas instalações em Vale de S. Cosme, Famalicão, para um investimento de 42,5 milhões de euros, que vai implicar a criação de, "pelo menos", 151 trabalhadores, e na qual estarão envolvidas as suas empresas TMG Automotive e TMG Tecidos.

Ao longo dos anos, a família Gonçalves tem vindo a diversificar os seus negócios. Foram accionistas fundadores do BPI e do BCP e viriam a participar no ressurgimento do Grupo Espírito Santo (GES).

Em 1998 entrou no capital da Efacec e, em 2005, aliou-se ao grupo José de Mello, lançaram uma OPA e ficaram a partilhar a empresa. Há um ano, venderam 66% do capital desta sociedade à Winterfell, da empresária angolana Isabel dos Santos, passando assim à condição de accionistas minoritários.

Entre outros negócios, o grupo TMG detém também as Caves Transmontanas, a Heliportugal (helicópteros) e a rede de lojas da marca de surf Lightning Bolt.

António Gonçalves, 70 anos, Fernando Gonçalves, 64 anos, e Maria Folhadela de Oliveira, 76 anos, são os accionistas do grupo fundado pelo pai.

É António (na foto) que lidera o clã. Estudou nos Estados Unidos, onde se licenciou em Economia pela Philadelphia University e fez um MBA pela Universidade de Columbia. É discretíssimo e nunca dá entrevistas.

A revista Exame aponta a família Gonçalves como dona da 21.ª maior riqueza de Portugal, com uma fortuna avaliada em 246 milhões de euros.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Morteira 10.10.2016

Antes das obras obrarem é melhor consultar a dupla Morte dagua e cd martins

Anónimo 10.10.2016



PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


José Gonçalves 09.10.2016

Escusada esta notícia!

José Santos 09.10.2016

Cuidado com a acumulação, o KGB engracadinho anda aí

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub