Banca & Finanças Conselheiro de Juncker questiona regras de resgate aos bancos

Conselheiro de Juncker questiona regras de resgate aos bancos

As regras de resolução bancária não devem ser utilizadas sem uma análise casuística, defende um dos conselheiros de Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia.
Conselheiro de Juncker questiona regras de resgate aos bancos
Paulo Zacarias Gomes 17 de Novembro de 2016 às 18:38

A solução de colocar os credores e grandes depositantes a salvar os bancos da zona euro em caso de colapso, pode revelar-se útil para resolver questões banco a banco mas não ser a adequada para enfrentar uma crise financeira sistémica.


O entendimento – deixado esta quinta-feira no Parlamento Europeu a título pessoal - é de José Leandro, um dos principais conselheiros do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, para a reforma da zona euro.


Para o responsável, este modelo – que coloca alguns obrigacionistas, os accionistas e grandes clientes a suportar os resgates de bancos em dificuldades em alternativa às medidas de resolução que têm envolvido dinheiro dos contribuintes – tem de ser reponderada "tão breve quanto possível".


"Estamos a implementar mecanismos que, provavelmente, não são os mais adequados para lidar com uma situação sistémica como a que estamos a ver em alguns Estados-membros," afirmou o director de política, estratégia e coordenação na Direcção Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, citado pela Reuters.


As regras de resolução bancária foram implementadas nos últimos anos para reduzir o encargo dos contribuintes com os problemas na banca.


Inicialmente foram chamados a cobrir estes encargos os accionistas e os detentores de dívida subordinada antes do envolvimento dos contribuintes. O BES e o Banif são exemplos.

Desde o início do ano, o leque de visados aumentou: os credores seniores e os depositantes com contas acima de 100 mil euros poderiam também perder tudo para limitar os custos dos contribuintes.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Sera por isto que sairam de contas a ordem mais de 3 mil milhoes? E estarao onde? Ninguem queima dinheiro....

Anónimo Há 2 semanas

Esta gente ainda nao percebeu que a EU e como se fosse uma junta de bois ,onde um par deles so andava bem a toque de vara com um prego na ponta.Todos comentam o que vai ser a Inglaterra sem a EU,eu proponha que se comenta-se o contrario,porque ou eu tenho alucinacoes ou fim da EU nao anda longe.

Anónimo Há 2 semanas

https://offshoreleaks.icij.org/

pub
pub
pub
pub