Banca & Finanças Conselho Geral da Associação Montepio analisa na terça-feira contas de 2015 e 2016

Conselho Geral da Associação Montepio analisa na terça-feira contas de 2015 e 2016

O Conselho Geral da Associação Mutualista Montepio Geral reúne-se esta terça-feira para debater as contas individuais da associação de 2016 e as contas consolidadas relativas a 2015, que deveriam ter sido divulgadas no ano passado.
Conselho Geral da Associação Montepio analisa na terça-feira contas de 2015 e 2016
Lusa 13 de março de 2017 às 14:28

A convocatória, a que a Lusa teve acesso, tem cinco pontos na ordem de trabalhos, entre os quais a apreciação das contas individuais (relatório do Conselho de Administração e parecer do Conselho Fiscal) da associação mutualista relativas ao exercício de 2016 e a apreciação das contas consolidadas de 2015.

 

Estas contas ainda não são conhecidas e já este ano, em entrevista à revista Sábado, o presidente da associação mutualista, Tomás Correia, justificou ainda não ter apresentado as contas consolidadas de 2015 por estar à espera de uma lei que dispense a entidade que dirige a apresentar contas consolidadas.

 

A Lusa contactou o Ministério do Trabalho e Segurança Social, que tem a tutela da associação mutualista, para saber de que lei se tratava, mas não obteve resposta.

 

Quanto às contas individuais, apresentadas em Março de 2016, a associação mutualista apresentou prejuízos de 393,1 milhões de euros.

 

Apesar do resultado operacional ter sido positivo em 36,4 milhões de euros (abaixo dos 64,7 milhões de 2014), a associação teve de constituir imparidades para fazer face a eventuais perdas com a Caixa Económica Montepio Geral (350 milhões) e o Montepio Seguros (63,2 milhões), suas participadas, o que levou a prejuízos de 393 milhões de euros.

 

As contas consolidadas permitem perceber melhor a realidade do grupo Montepio, uma vez que integra os resultados apenas da associação mutualista, mas também das suas dezenas de empresas participadas.

 

A principal empresa participada do grupo é a Caixa Económica Montepio Geral, que desenvolve o negócio bancário e que teve prejuízos de 243,4 milhões de euros em 2015, acima dos cerca de 187 milhões de euros 2014. Ainda não foram divulgados os resultados de 2016.

 

Para já, é conhecido que até Setembro passado teve um prejuízo de 67,5 milhões de euros, tendo o banco mutualista justificado este resultado com os "impactos específicos ocorridos no primeiro semestre relacionados com os custos com o processo de redimensionamento da estrutura operativa, com as contribuições sobre o sector bancário para o Fundo Único de Resolução e para o Fundo de Resolução Nacional e com perdas em investimentos financeiros".

 

Já apenas no terceiro trimestre, a instituição apresentou um lucro de 144 mil euros.

 

Este fim-de-semana, o Expresso noticiou um relatório do Banco de Portugal relativo à CEMG em 2016, no qual os técnicos concluem que a entidade apresenta "um perfil de risco de nível elevado", que as exposições estratégicas "não garantem uma gestão sólida" e fala ainda numa "consistente degradação da qualidade da carteira dos clientes".

 

O semanário refere ainda que para os lucros de 144 mil euros apresentados no terceiro trimestre "terá pesado, de forma indiscutível, a venda de uma participação de 19% na empresa mineira Almina, por 93 milhões de euros e com uma mais-valia de 24 milhões".

 

A compra foi feita por um "veículo financeiro, designado Vogais Dinâmicas, com sede em Oliveira dos Frades, e constituído no dia 29 de Setembro de 2016". Contudo, a operação foi posteriormente anulada.

 

Em reacção à notícia do Expresso, a CEMG afirmou que "adopta as melhores práticas" exigidas pelos reguladores e supervisores e que tem executado todas as recomendações para melhorar os seus procedimentos.

 

A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) é liderada por Félix Morgado, que substituiu Tomás Correia em agosto de 2015, ficando este apenas como presidente da Associação Mutualista Montepio Geral.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub