Banca & Finanças Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

O actual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que ia ser ouvido em meados de Janeiro, invocou a indisponibilidade para se deslocar a Portugal, solicitando a possibilidade de responder por escrito às questões que lhe forem colocadas.
Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados
Lusa 03 de Janeiro de 2017 às 20:42

O ex-governador do Banco de Portugal Vítor Constâncio, que foi chamado para comparecer perante a comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos, não pode estar presencialmente no parlamento, pelo que vai responder por escrito às perguntas dos deputados.

 

Segundo a informação recolhida pela Lusa junto de fonte parlamentar, o actual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que ia ser ouvido em meados de Janeiro, invocou a indisponibilidade para se deslocar a Portugal, solicitando a possibilidade de responder por escrito às questões que lhe forem colocadas.

 

No final dos trabalhos de hoje, após a audição de António de Sousa (antigo presidente do Conselho de Administração do banco público), teve lugar uma reunião entre os coordenadores dos grupos parlamentares que integram esta comissão, que decorreu à porta fechada, e na qual foi aceite o pedido de Constâncio.

 

A extensão dos trabalhos desta comissão parlamentar de inquérito além do prazo estipulado também foi discutida, havendo abertura por parte dos vários partidos para que tal aconteça, de acordo com a mesma fonte.

 

Isto, depois de ter havido já suspensões no prazo de 120 dias da comissão devido às férias parlamentares e à discussão do Orçamento do Estado para 2017.

 

O período máximo para a conclusão dos trabalhos é de 180 dias.

 

A comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), imposta potestativamente por PSD e CDS-PP, tomou posse a 05 de Julho na Assembleia da República, e debruça-se, por exemplo, sobre a gestão do banco público desde o ano 2000, abordando ainda os factos que levaram ao processo de recapitalização da CGD, que foi aprovado por Bruxelas.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Por favor façam leis que tenham uma única interpretação para que no futuro não apareça situações como aquelas que nos trás pela rua da amargura. Tendo em conta a informação que está disponível, deve-se averiguar o patrimônio de todos que tiveram cargos públicos, incluindo banqueiros. É URGENTE.

A miss Laca Há 2 semanas

Queria ser presidenta

pub