Banca & Finanças Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados

O actual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que ia ser ouvido em meados de Janeiro, invocou a indisponibilidade para se deslocar a Portugal, solicitando a possibilidade de responder por escrito às questões que lhe forem colocadas.
Constâncio vai responder por escrito às questões dos deputados
Lusa 03 de janeiro de 2017 às 20:42

O ex-governador do Banco de Portugal Vítor Constâncio, que foi chamado para comparecer perante a comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos, não pode estar presencialmente no parlamento, pelo que vai responder por escrito às perguntas dos deputados.

 

Segundo a informação recolhida pela Lusa junto de fonte parlamentar, o actual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que ia ser ouvido em meados de Janeiro, invocou a indisponibilidade para se deslocar a Portugal, solicitando a possibilidade de responder por escrito às questões que lhe forem colocadas.

 

No final dos trabalhos de hoje, após a audição de António de Sousa (antigo presidente do Conselho de Administração do banco público), teve lugar uma reunião entre os coordenadores dos grupos parlamentares que integram esta comissão, que decorreu à porta fechada, e na qual foi aceite o pedido de Constâncio.

 

A extensão dos trabalhos desta comissão parlamentar de inquérito além do prazo estipulado também foi discutida, havendo abertura por parte dos vários partidos para que tal aconteça, de acordo com a mesma fonte.

 

Isto, depois de ter havido já suspensões no prazo de 120 dias da comissão devido às férias parlamentares e à discussão do Orçamento do Estado para 2017.

 

O período máximo para a conclusão dos trabalhos é de 180 dias.

 

A comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), imposta potestativamente por PSD e CDS-PP, tomou posse a 05 de Julho na Assembleia da República, e debruça-se, por exemplo, sobre a gestão do banco público desde o ano 2000, abordando ainda os factos que levaram ao processo de recapitalização da CGD, que foi aprovado por Bruxelas.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 04.01.2017

Por favor façam leis que tenham uma única interpretação para que no futuro não apareça situações como aquelas que nos trás pela rua da amargura. Tendo em conta a informação que está disponível, deve-se averiguar o patrimônio de todos que tiveram cargos públicos, incluindo banqueiros. É URGENTE.

A miss Laca 03.01.2017

Queria ser presidenta

pub