Construção Construção continua a crescer mas sofre ligeiro abrandamento em Novembro

Construção continua a crescer mas sofre ligeiro abrandamento em Novembro

Em Outubro, a produção na construção cresceu 2,7%, o que representa o ritmo mais célere em mais de uma década. No mês seguinte, a produção na construção continuou a subir mais abrandou ligeiramente o ritmo, tendo registado uma taxa de variação homóloga de 2,6%.
Construção continua a crescer mas sofre ligeiro abrandamento em Novembro
Reuters
Ana Laranjeiro 09 de janeiro de 2018 às 12:10

Em Outubro, a produção na construção avançou 2,7% em termos homólogos (nos dados publicados em Novembro, o INE explica que rectificou o valor – anteriormente era 2,6% - fruto da substituição das não respostas por respostas efectivas), o que representa o ritmo mais célere em 11 anos.

Em Novembro, a produção na construção continuou a registar um crescimento acentuado, apesar do abrandamento muito ligeiro face ao mês anterior, continuando assim a dar sinais de recuperação face aos anos da crise financeira, que arrastaram o sector para quedas profundas. O índice de produção na construção, em Novembro, registou uma taxa de variação homóloga de 2,6%, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicados esta terça-feira, 9 de Janeiro.

O segmento da Engenharia Civil foi o que mais contribuiu para esta evolução da produção na construção, tendo expandido 4,8% em termos homólogos - ligeiramente menos que os 4,9% registados em Outubro. O segmento da Construção de Edifícios, tal como no mês anterior, avançou 1,2% face a Novembro de 2016.

O emprego neste sector continua igualmente em crescimento, tendo avançado 2,5% em Novembro face ao mesmo período de 2016. Também no índice do emprego se verifica um ligeiro abrandamento face a Outubro, época em que este indicador tinha avançado 2,8% (também este valor foi rectificado – anteriormente foi revelada uma expansão de 2,7%) - o ritmo mais acentuado desde Janeiro de 2006.

No que diz respeito às remunerações, a evolução foi idêntica. As remunerações efectivamente pagas continuam a crescer, tendo registado uma taxa de variação homóloga de 3,8% em Novembro, face ao mesmo período do ano passado. Tal como nos indicadores anteriores, as remunerações sofreram um ligeiro abrandamento face aos 4,1% registados em Outubro – o maior crescimento em nove anos.

Em Dezembro, foram revelado os dados relativos à conclusão de edíficios em Portugal, no terceiro trimestre. De Julho a Setembro, foram concluídos 3.334 edifícios em Portugal - a última vez que foram terminados tantos edifícios no país foi no terceiro trimestre de 2014. Estes dados suportam também a ideia de que o sector da construção está a recuperar face aos tempos difíceis registados nos anos da crise.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Os parolos dos empreiteiros andam todos contentes... srs ourives, venha mais uma volta de ouro - das grossas... e os que tem pessoal pela europa a faturar?? Porches para a família toda sffavor... Como e possível enriquecer em meia dúzia de anos?? E só espertalhões...

Johnny Há 1 semana

Construção ??? Onde é que está a construção ?
Em cascais já nem uma casota de cão se encontra por menos de 100 mil euros

pub