Construção Construção em clara recuperação no arranque do ano

Construção em clara recuperação no arranque do ano

O sector da construção sofreu duras quedas nos últimos 11 anos. 2017 parece ser de inversão, com os primeiros quatro meses a serem de crescimento. E é a construção de edifícios que está a impulsionar o sector.
Construção em clara recuperação no arranque do ano
Reuters
Sara Antunes 09 de junho de 2017 às 11:27

O índice de produção do sector da construção cresceu 1,6% em Abril, tendo em consideração a média móvel dos últimos três meses. Este é o quarto mês consecutivo de crescimento, segundo os dados divulgados esta sexta-feira, 9 de Junho, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

A série do INE recua até Março de 2006, com a produção na construção a cair consecutivamente desde então. Não há valores positivos até se chegar a 2017. Nos últimos 11 anos, a primeira valorização homóloga positiva aparece em Janeiro deste ano. E os meses seguintes foram todos de crescimento.

 

As notícias parecem ser positivas para o sector da construção que esteve em contracção nos últimos anos. Ainda assim, Abril representou um abrandamento no crescimento do sector, já que em Março o aumento tinha sido de 2,7%, o maior de toda a série. E o abrandamento não está relacionado com efeitos de calendário, uma vez que o INE revela o indicador ajustado de efeitos de sazonalidade e calendário.

 

A contribuir para esta evolução está sobretudo a construção de edifícios. Neste caso, o índice de produção aumentou em Abril 3,1% face ao mesmo período do ano passado, sendo este o quinto mês consecutivo de aumentos.

 

Já a área de engenharia civil continua a revelar dificuldades, tendo caído 0,7% em Abril, depois de um aumento de 0,2% em Março, o único mês em que cresceu.

 
"O índice de emprego no sector da construção aumentou 2,0% em termos homólogos (2,5% em Março). Comparativamente com o mês anterior, o índice de emprego apresentou uma taxa de variação de -0,6% (variação de -0,1% em Abril de 2016)", segundo o INE.

Já o "índice das remunerações efectivamente pagas registou uma taxa de variação homóloga de 0,1% (1,2% em Março)."

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marta Guimaraes 09.06.2017

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado. Para lixo já chega o que escreves todos os dias no Observador com o nick victor guerra.

SR MILENIUM BCP DIGA LÁ 0.43 09.06.2017


FALTAM 5 DIAS PARA A FINTCH SUBIR OS RATINGS DE PORTUGAL E DO MILENIUM BCP POR ISSO SR BCP DIGA LÁ 0.43 daqui a cinco DIAS

Anónimo 09.06.2017

Nada disso... lavagens de dinheiro... muita atencao as empresas c civil q poem mao de obra na europa... ha pessoal a encher os bolsos de mts notas...

Marta Guimaraes 09.06.2017

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado. Para lixo já chega o que escreves todos os dias no Observador com o nick victor guerra.

pub