Energia Consumo de electricidade atinge máximo de seis anos

Consumo de electricidade atinge máximo de seis anos

Portugal bateu o recorde de consumo diário anterior atingido em Janeiro de 2011. O aumento de consumo devido ao frio registado ajudou a atingir este máximo.
Consumo de electricidade atinge máximo de seis anos
André Cabrita-Mendes 20 de janeiro de 2017 às 21:49
O consumo de electricidade em Portugal atingiu o valor diário mais elevado de seis anos. O máximo foi registado no dia 19 de Janeiro, ultrapassando o anterior máximo registado em Janeiro de 2011.

O consumo de electricidade em Portugal atingiu assim os 169 gigawatts hora no dia 19. Este consumo foi abastecido com 46% de renováveis, 22% de carvão e 26% de gás natural em centrais de ciclo combinado.

Foi também neste dia que o consumo de gás natural atingiu o valor mais elevado de sempre em Portugal: 252,4 gigawatts hora (GWh), repartidos por 103,2 GWh para produzir electricidade, e 149,2 GWh pelas famílias e empresas.

Os dados foram divulgados pela REN - Redes Energéticas Nacionais esta sexta-feira, 20 de Janeiro.

O terminal de gás natural da REN em Sines atingiu o máximo da sua capacidade de injecção de gás natural na rede no dia 12 de Janeiro, "reflectindo o aumento do consumo de gás natural em Portugal que resultou da vaga de frio que assola o país e das necessidades de produção de electricidade.

Este terminal atingiu 100% da sua capacidade de injecção na rede, tendo sido responsável por 89% do consumo nacional de energia nesse dia.

A REN sublinha que estes máximos de consumo de electricidade e de gás natural demonstram o "papel essencial das infraestruturas nacionais de gás natural na garantia de abastecimento dos consumos, e do setor elétrico em particular. Estas são planeadas e concebidas para dar resposta às exigências coincidentes dos consumidores".

Foi também esta semana que preço da electricidade no mercado grossista atingiu o valor mais elevado no espaço de três anos: 98,69 euros por megawatt hora.

A contribuir para o aumento dos preços no mercado onde os produtores vendem a sua energia aos comercializadores acontece em parte pelo aumento da procura em França, visto 18 das suas centrais nucleares estarem paradas para manutenção ou inspecção.

O aumento dos preços também acontece por Portugal estar a viver uma situação de seca fraca, o que leva a que as barragens produzam menos energia.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub