Transportes Contentores em Lisboa crescem 51% até Julho

Contentores em Lisboa crescem 51% até Julho

O porto de Lisboa recuperou nos primeiros sete meses deste ano 3,3 pontos percentuais de quota entre os portos do continente na movimentação de contentores, depois das quebras registadas em 2016, devido às greves dos estivadores.
Contentores  em Lisboa crescem 51% até Julho
Pedro Elias/Negócios
Maria João Babo 18 de setembro de 2017 às 10:00
Depois da quebra de tráfego verificada em 2016, por efeito das greves de estivadores, o porto de Lisboa registou nos primeiros sete meses deste ano um aumento de 51,1% no movimento de contentores.  De acordo com o relatório de acompanhamento do mercado portuário da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), o porto da capital recuperou 3,3 pontos percentuais de quota entre os  portos do continente, representando agora 15,8% dos movimentos totais. 

Ao contrário  do porto da capital, Leixões e Setúbal registam quebras no conjunto dos primeiros sete meses deste ano, de 8% e 6% respectivamente.

Já Sines acumula desde Janeiro e até Julho um crescimento de 29,9%, pesando já mais de 58% no movimento de contentores nos portos nacionais.

De acordo com a AMT, no conjunto das cargas, os portos comerciais do continente continuaram em Julho a bater recordes. Nos primeiros sete meses do ano o volume total atingiu as quase 57 milhões de toneladas, o que traduziu um acréscimo de 7,1% e "constitui o valor mais elevado de sempre", aponta o regulador do sector dos transportes. 

"No período em análise as cerca de 3,8 milhões de toneladas movimentadas a mais do que no período homólogo de 2016, resultaram de variações positivas dos portos de Leixões (mais 7,4%), Aveiro (mais 21,8%), Figueira da Foz (mais 6,4%), Lisboa (mais 26,8%) e Sines (mais 5,1%), que anularam as variações negativas registadas em Viana do Castelo, Setúbal e Faro", que registaram recuos de 4,9%, 10,3% e 64,9%, respectivamente.

No porto algarvio, a AMT recorda que, depois da  suspensão da actividade da Cimpor em Junho de 2016, a retoma foi iniciada em Dezembro mas com "muita irregularidade e níveis baixos de utilização do porto".



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
mafiosos 18.09.2017

o que devia ser o principal porto do pais reduzido a 10% ( resta ainda analizar se não é navios dos açores e madeira) TUDO POR CULPA DE UNS MAFIOSOS . . . mais vale fechar o Porto e dedicá-lo a cruzeiros e lazer !

Anónimo 18.09.2017

Os tipos que se queixam dos contentores a tapar a vista já devem andar frenéticos com estes 51%...

Para eles, contentores só em terra alheia e não importa o emprego em Lisboa. As vistas é que são importantes porque se deve viver da vista e do ar.

Saber mais e Alertas
pub