Tecnologias Cormorant: o carro-drone israelita que quer chegar aos céus em 2020

Cormorant: o carro-drone israelita que quer chegar aos céus em 2020

Ao fim de 15 anos de desenvolvimento, o veículo desenvolvido pela Urban Aeronautics espera chegar ao mercado dentro de três anos. Primeiro, terá de cumprir com as normas da FAA.
Negócios com Reuters 03 de janeiro de 2017 às 15:37
O carro-drone Cormorant, construído por uma empresa tecnológica israelita, concluiu há dois meses os seus voos de teste a baixa altitude e espera, ao fim de 15 anos de desenvolvimento, chegar ao mercado em 2020.

Com tonelada e meia de peso e do tamanho de um carro comum, o drone capaz de transportar 500 quilos em peso e voar a 185 quilómetros por hora, deverá ter um custo de 14 milhões de dólares (13,5 milhões de euros à cotação actual) e foi desenvolvido pela Urban Aeronautics.

O veículo - que ainda precisa de ser aperfeiçoado antes de sair para o mercado, nomeadamente com correcções ao nível da informação enviada pelos sensores - deverá, primeiramente, ter aplicação no domínio da defesa e da protecção civil, ajudando à retirada de pessoas em cenários de conflito ou catástrofe.

"Imagine a libertação de uma bomba ou de uma substância química e este veículo, pilotado à distância, pode lá chegar e descontaminar a zona," disse à Reuters o CEO da Urban Aeronautics, Rafi Yoeli.

Para Yoeli, que em 2001 começou o projecto em Yavne, no centro de Israel, o veículo é mais seguro que um helicóptero devido aos rotores específicos que o equipam, podendo deslocar-se entre edifícios e abaixo das linhas de alta tensão sem risco de as suas pás chocarem com obstáculos.

Anteriormente baptizada "Air Mule" ("Mula Aérea na tradução livre para português), o carro-drone precisa ainda de corresponder às exigências colocadas pela FAA (a administração federal de aviação norte-americana).

DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

QUANTO PAGARAM POR ESTE ANÚNCIO?

Anónimo Há 2 semanas

Mais uma geringonça.

pub