Tecnologias Cormorant: o carro-drone israelita que quer chegar aos céus em 2020

Cormorant: o carro-drone israelita que quer chegar aos céus em 2020

Ao fim de 15 anos de desenvolvimento, o veículo desenvolvido pela Urban Aeronautics espera chegar ao mercado dentro de três anos. Primeiro, terá de cumprir com as normas da FAA.
A carregar o vídeo ...
Negócios com Reuters 03 de janeiro de 2017 às 15:37
O carro-drone Cormorant, construído por uma empresa tecnológica israelita, concluiu há dois meses os seus voos de teste a baixa altitude e espera, ao fim de 15 anos de desenvolvimento, chegar ao mercado em 2020.

Com tonelada e meia de peso e do tamanho de um carro comum, o drone capaz de transportar 500 quilos em peso e voar a 185 quilómetros por hora, deverá ter um custo de 14 milhões de dólares (13,5 milhões de euros à cotação actual) e foi desenvolvido pela Urban Aeronautics.

O veículo - que ainda precisa de ser aperfeiçoado antes de sair para o mercado, nomeadamente com correcções ao nível da informação enviada pelos sensores - deverá, primeiramente, ter aplicação no domínio da defesa e da protecção civil, ajudando à retirada de pessoas em cenários de conflito ou catástrofe.

"Imagine a libertação de uma bomba ou de uma substância química e este veículo, pilotado à distância, pode lá chegar e descontaminar a zona," disse à Reuters o CEO da Urban Aeronautics, Rafi Yoeli.

Para Yoeli, que em 2001 começou o projecto em Yavne, no centro de Israel, o veículo é mais seguro que um helicóptero devido aos rotores específicos que o equipam, podendo deslocar-se entre edifícios e abaixo das linhas de alta tensão sem risco de as suas pás chocarem com obstáculos.

Anteriormente baptizada "Air Mule" ("Mula Aérea na tradução livre para português), o carro-drone precisa ainda de corresponder às exigências colocadas pela FAA (a administração federal de aviação norte-americana).

DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics DR Urban Aeronautics


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 04.01.2017

QUANTO PAGARAM POR ESTE ANÚNCIO?

Anónimo 03.01.2017

Mais uma geringonça.

pub