Banca & Finanças Costa culpa PSD pela demissão de Domingues

Costa culpa PSD pela demissão de Domingues

PSD pediu explicações a Costa sobre motivos da demissão do presidente da Caixa. O primeiro-ministro atirou responsabilidades para o PSD. "É isso que eu sei. Não tenho mais nada a dizer", disse o chefe do Governo.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 07 de dezembro de 2016 às 16:30
António Costa revelou esta quarta-feira que António Domingues se demitiu da presidência da Caixa Geral de Depósitos (CGD) porque o Parlamento aprovou uma iniciativa do PSD que obrigava os gestores do banco público a entregar declarações de património no Tribunal Constitucional (TC). O primeiro-ministro respondia ao líder do PSD, mas Passos Coelho não ficou convencido:"Tanto quanto sei essas declarações foram apresentadas". Costa desafiou Passos a pedir mais explicações a António Domingues.

O chefe do Governo abriu o debate com questões relacionadas com a descentralização de competências, mas o PSD não larga o tema da Caixa e voltou à carga, pedindo explicações sobre as razões que levaram à demissão do presidente da Caixa. "O Governo já tem uma explicação a dar sobre o que se passou na CGD", questionou Passos.

Costa começou por falar sobre o "futuro" da Caixa e citou o Presidente da República que pediu para que a Caixa não fosse transformada num "motivo de batalha política. Passos insistiu na mesma tecla ao dizer que "o país não pode fazer especulações jornalísticas sobre questões magnas". 

"Julguei que queria falar sobre a substância", atirou o primeiro-ministro. António Costa afirmou de seguida que a demissão de António Domingues aconteceu "porque foi aprovada uma iniciativa legislativa do PSD que a administração da Caixa entendeu que lhes diminuía as suas capacidades". "É isso que eu sei. Não tenho mais nada a dizer", concluiu.

Mas Passos Coelho não ficou satisfeito com as explicações e defendeu ser estranho que essa seja a razão quando os gestores da Caixa apresentaram as declarações de património no TC. "Tanto quanto sei essas declarações foram apresentadas", disse o ex-primeiro-ministro. 

Costa admitiu então estar perante um "momento embaraçoso para os dois. Estamos de acordo um com outro. Acho estranho. Não tenho outra explicação". E de seguida desafiou o PSD a procurar mais esclarecimentos junto do líder demissionário da Caixa. "Tem boas formas de obter junto dos próprios outros esclarecimentos", disse Costa.

Passos Coelho admitiu poder vir a fazê-lo mas desafiou antes o primeiro-ministro a dizer se, tendo em conta que o PS votou contra a proposta do PSD para obrigar os gestores da Caixa a entregar as declarações no TC, o Governo garantiu à administração da Caixa que essa lei não seria aprovada, o que Costa negou.


A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 08.12.2016

Fonte: APB (Associação Portuguesa de Bancos; está na internet) / Estudos e Pulicações/ Boletim Estatístico nº 51, anual (contas dos bancos de 2015).

5 maiores bancos somados, excluindo a CGD e o NB, contas no final de 2015: número de trabalhadores em Portugal: 27.022; custos com o pessoal (contas individuais): 1.273,4 milhões de euros; custo médio por trabalhador: 47,1 mil euros no ano.

CGD: número de trabalhadores: 8.410; custos com o pessoal: 590,8 milhões de euros; custo médio por trabalhador: 70,2 mil euros.

Diferença de custos: 23,1 mil euros. Vezes 8.410 trabalhadores, igual a 194,3 milhões de euros.
Custo a mais suportado pela CGD comparativamente à hipótese de ter pago (salários mais encargos) um valor em linha com a média dos 5 bancos.

É claro que houve reduções de trabalhadores ao longo de 2015, mas comparam-se números numa mesma base ou conceito e em todos os bancos maiores houve reduções de pessoal.

comentários mais recentes
Penso que nao te aguentas os 4 anos 17.01.2017

Mas que raio de encomenda me saiu este monlhê. Com que entao a culpa e sempre dos outros.Tu nao tens e tomates para ser 1° Assim como teu antigo Colega Coelho, na volta sao os dois da mesma sepa. Agora sao os Mafiosos dos Bancos que comandam, o criatura paga na viola e mete-a no Saco. Vai de retoSat

Claro 08.12.2016

Faz todo o sentido

Ó valha-nos Santa Ingrácia 08.12.2016

Xuxxas da treta.

joaoaviador 08.12.2016

Mas é preciso muito descaramento! Os outros é que têm sempre a culpa. Agora é o Paulo Macedo que vai despedir não sei quantos mil. O homem que só chegou agora e tem de obedecer ao plano traçado pelo facilidades Costa, donos do banco europeu e o Domingues que não gosta de mostrar nada.
Mas a culpa dos despedimentos é do Macedo Mau. Continuam a gozar com o pessoal. E não é que a malta não reage?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub