Telecomunicações Costa muito apreensivo com a evolução da PT nas mãos da Altice

Costa muito apreensivo com a evolução da PT nas mãos da Altice

António Costa disse que, pessoalmente, enquanto consumidor de telecomunicações, já tirou conclusões face ao panorama existente no mercado nacional.
Costa muito apreensivo com a evolução da PT nas mãos da Altice
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 12 de julho de 2017 às 17:30

O primeiro-ministro manifestou-se hoje apreensivo com o futuro da PT, agora propriedade da multinacional Altice, temendo mesmo pelo futuro de postos de trabalho e apontando a uma das operadoras "falhas graves" no incêndio de Pedrógão Grande.

 

António Costa falava após a segunda ronda de questões colocadas pelos deputados no debate sobre o estado da Nação na Assembleia da República.

 

O líder parlamentar do PCP, João Oliveira, confrontou o primeiro-ministro com a existência de um ambiente de "intimidação" aos trabalhadores na Portugal Telecom (PT), com a António Costa, logo a seguir, a partilhar com o dirigente comunista esses mesmos receios.

 

"Receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização [pelo anterior Governo PSD/CDS-PP] possa dar origem a um novo caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa", declarou o primeiro-ministro.

 

António Costa fez depois referência ao que se passou em termos de comportamento das operadoras de telecomunicações durante o período de combate às chamas no incêndio ocorrido em junho passado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

 

"Aliás, espero que a autoridade reguladora [para as telecomunicações, olhe com atenção só o que aconteceu com as diferentes operadoras nestes incêndios de Pedrógão Grande. Compreenderá certamente que houve algumas que conseguiram sempre manter as comunicações e houve outra que esteve muito tempo sem conseguir comunicações nenhumas - e isso é muito grave", salientou ainda o líder do executivo.

 

Depois, António Costa disse que, pessoalmente, enquanto consumidor de telecomunicações, já tirou conclusões face ao panorama existente no mercado nacional.

 

"Por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo", disse, numa nova alusão crítica à PT.




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.07.2017

Em 2006 e no sector das telecomunicações, já se faziam despedimentos nas economias e sociedades mais avançadas, as que não perdem soberania, não vão à falência, não pedem resgates, não têm emigração forçada à saída da escola, não têm pobres full-time a ordenado mínimo, etc.: "France Telecom’s hair shirt may not be as uncomfortable as it appears. The French telecoms operator seems to have set itself a superhuman task in ditching 17,000 jobs. It is also to cut E2bn from its other running costs. But in spreading the cuts over three years, it looks to have given itself a handy margin for error. Take the job cuts. At below 6,000 a year, they are less ambitious than Deutsche Telekom is attempting. What’s more, they represent half the number that FT managed in 2004, the last year for which full figures are available. In 2002, FT cut three times as many. And it still has stacks of dead wood to chop out" https://www.breakingviews.com/considered-view/france-telecoms-17000-job-cuts-look-modest/

comentários mais recentes
Anónimo 13.07.2017

A concorrência é a melhor garantia de competência. Os protecionismos são pagos em impostos, ou custos acrescidos para os utilizadores. Veja-se o caso da CGD e BES onde os contribuintes pagam biliões para encher as contas de alguns protegidos. Deixem o mercado funcionar.

Anónimo 13.07.2017

Bons foram os tempos em que a estratégia da PT era liderada pelo seu colega José Sócrates com investimentos estrtégicos no Brasil.

A PT era a mama de muitos lobbies e empresas e grupos. A Altice veio acabar com essa mama o que está a incomodar muita gente.

Anónimo 13.07.2017

O Costa está com medo de alguma coisa. Em breve veremos

telmo 13.07.2017

Costa não sabe ou não quer ver, a PT paga em media 1870 euros de salários a NOS 879 e Vodafone 812, tem cobertura nacional e o dobro dos trabalhadores. Porque permite a venda de serviço a operadoras onde não tem rede para o prestar?

ver mais comentários
pub